Sobe a 59 número de vítimas pelas chuvas na Coreia do Sul

Chuvas que castigam o norte e o centro do país já deixaram mais de 12 mil desabrigados

Efe

29 de julho de 2011 | 08h46

Soldados sul-coreaos removem lama de um complexo residencial em Seul após chuvas

 

 

SEUL - Pelo menos 59 pessoas morreram e dez estão desaparecidas por causa das chuvas que desde terça-feira castigam o centro e o norte da Coreia do Sul, onde mais de 12 mil pessoas foram retiradas de suas casas, informou nesta sexta-feira, 29, a Agência Nacional de Gestão de Desastres.

 

As chuvas mais intensas no país em um século atingiram principalmente Seul e as províncias de Gyeonggi (noroeste) e Gangwon (nordeste) e provocaram blecautes em quase 130 mil casas em todo o país, além de alagar mais de 10 mil residências e 1.100 fábricas e escritórios.

 

O número de mortos por vários deslizamentos de terra em diferentes zonas do sul de Seul aumentou nesta sexta-feira a 18, enquanto uma pessoa permanece desaparecida e mais de 20 ficaram feridas pelas avalanches de lama na capital sul-coreana, informou a agência local "Yonhap".

 

A estas vítimas se somam os 13 mortos e quatro feridos em um deslizamento em Chuncheon; três mortos, um desaparecido e dois feridos em outro desmoronamento em Paju; e outros seis falecidos pela crescente de um rio na província de Gyeonggi.

 

Também houve vítimas fatais em outras cidades-dormitório próximas a Seul, como Gwacheon, Yongin, Gwanju e Pocheon, sem que por enquanto tenham sido divulgados mais detalhes.

 

As precipitações também alagaram 978 hectares de terrenos cultiváveis, e o Governo anunciou medidas para evitar uma alta de preços nos produtos agrícolas.

 

Em Seul, onde as chuvas causaram deslizamentos em barrancos, inundaram diferentes pontos da cidade e provocaram interrupções em várias estradas, cerca de 1 mil voluntários trabalharam para limpar o barro e os escombros no sul da cidade.

 

Desde terça-feira, as chuvas que caíram em Seul somaram 591 milímetros, quase a metade da precipitação média anual de 1.400 milímetros da capital sul-coreana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.