Sobe número de mortos em tempestade na Guatemala

Fortes chuvas trazidas pela primeira tempestade tropical da temporada 2010, batizada de Agatha, atingiram a Guatemala no sábado. Até o começo da noite de domingo, pelo menos 40 pessoas haviam morrido e outras 33 estavam desaparecidas, mas autoridades disseram que o número de vítimas pode aumentar. A tempestade também causou danos e mortes em Honduras e El Salvador.

AE-AP, Agência Estado

30 Maio 2010 | 20h33

Com ventos de até 75 quilômetros por hora, a tempestade provocou deslizamentos de terras perto da fronteira da Guatemala e do México antes de enfraquecer para uma depressão tropical. Contudo, autoridades alertaram que os problemas estão longe de terminar e que as chuvas continuam atingindo vulneráveis encostas e assentamentos nos dois países.

No sábado, deslizamentos de terras na Cidade da Guatemala mataram quatro pessoas e deixaram outras 11 desaparecidas, de acordo com o porta-voz David de Leon. A maior parte da cidade ficou sem eletricidade durante a noite, o que dificultou os trabalhos de busca.

Quatro crianças também morreram soterradas na cidade de Santa Catarina Pinula, localizada a cerca de 10 quilômetros da capital. Já no departamento de Quetzaltenango, 200 quilômetros ao oeste da Cidade da Guatemala, um desmoronamento atingiu uma casa de família, matando duas crianças e dois adultos, informou o porta-voz.

Ao todo, 75 mil pessoas foram obrigadas a deixarem suas casas e mais de 3.500 residências foram danificadas, em sua maioria devido ao transbordamento de rios. As chuvas que atingiram a Guatemala no sábado foram as piores dos últimos 60 anos

Em Honduras, as autoridades emitiram sinais de alerta em sete províncias por causa das chuvas, que já deixaram um morto e um desaparecido. Em El Salvador, o Presidente Mauricio Funes declarou alerta vermelho em todo território depois que as fortes chuvas do Agatha deixaram pelo menos nove mortos e mais de 11 mil desabrigados em todo país.

Mais conteúdo sobre:
tempestade tropical Agatha Guatemala mortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.