Sobe para 10 o número de mortos por terremoto no Japão

Corpo é resgatado no escombros de hotel; pelo menos 12 ainda estão desaparecidos desde abalo sísmico

REUTERS

16 de junho de 2008 | 07h58

O número de mortos no forte terremoto que atingiu o norte do Japão subiu para 10 nesta segunda-feira, 16, quando tropas e equipes de resgate continuam a buscar sobreviventes na remota e montanhosa área que mais foi atingida pelo tremor.   Veja também: Entenda como acontecem os terremotos  Um quarto corpo foi retirado das ruínas de um hotel em Miyagi, disse uma autoridade local. O prédio foi atingido por um enorme deslizamento de terra causado pelo terremoto de 7,2 graus de magnitude, ocorrido na manhã de sábado (horário local). Doze pessoas continuam desaparecidas, incluindo três que estavam no hotel, e pelo menos 231 ficaram feridas, de acordo com a agência de incêndios e desastres de Tóquio. Mais de 200 pessoas estão em abrigos e caminhões estão levando água às regiões mais afetadas. Mais de 3.500 casas estão sem água nem eletricidade, segundo autoridades governamentais locais. Cerca de 50 pessoas ainda estão sem ajuda em vilarejos distantes, em Miyagi. "Estou preocupada com o quanto isso ainda vai durar, estou preocupada com minha casa", disse uma mulher à TV Asahi, em um abrigo. Os deslizamentos de terra e as estradas interrompidas assustaram os japoneses, mas o número de mortos foi limitado devido às estritas normas para as construções e ao fato de a população estar bastante espalhada pela região atingida. O Japão é uma das áreas com maior atividade sísmica do mundo. O país tem cerca de 20% dos terremotos com magnitude 6 ou mais no mundo. O premiê Yasuo Fukuda pediu às autoridades que garantam que os serviços essenciais funcionem rapidamente. "Quero que os serviços básicos sejam restabelecidos assim que possível para que as vidas daqueles que sofreram com o terremoto sejam estabilizados", disse ele em uma reunião do gabinete na segunda-feira, segundo a agência de notícias Kyodo.

Mais conteúdo sobre:
Japãoterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.