Pavel Rahman/AP
Pavel Rahman/AP

Sobe para 112 total de corpos resgatados do naufrágio em Bangladesh

Barco naufragou na terça-feira; autoridades não sabem quantos passageiros estavam a bordo

Efe

14 de março de 2012 | 12h17

NOVA DÉLHI - Ao menos 112 corpos foram resgatados após o naufrágio de uma balsa de passageiros no centro de Bangladesh na terça-feira, informou nesta quarta, 14, uma fonte policial. Um número indeterminado de pessoas continuam desaparecidas após o incidente.

 

"A operação de resgate ainda continuará por algumas horas. Ainda há desaparecidos, mas não sabemos quantos", disse uma fonte da polícia do distrito de Munshiganj, onde ocorreu o acidente. A tragédia ocorreu na madrugada de terça-feira, quando um petroleiro bateu na balsa com passageiros, que afundou rapidamente nas águas do rio Meghna.

 

Os restos da embarcação foram localizados na tarde da terça, a 20 metros de profundidade. Nesta quarta, as autoridades informaram que a embarcação foi parcialmente suspensa por cabos, mas as equipes de resgate ainda não conseguiram inspecionar o interior da balsa.

 

Até agora, não há número exato de passageiros que viajavam na embarcação, embora algumas fontes extraoficiais garantam que este número é de até 250 pessoas. Cerca de 50 deles conseguiram escapar nadando ou foram resgatados por outras embarcações.

 

O transporte fluvial é primordial para a economia de Bangladesh, um país sulcado por grandes rios e canais cuja superfície fica praticamente ao nível do mar. Mas o mal estado de conservação dos navios e as insuficientes medidas de segurança são motivos frequentes de acidentes.

 

Dados da Autoridade Nacional de Transporte de Águas Fluviais em Bangladesh indicam que entre 1997 e 2010 ao menos 4.047 pessoas morreram em 396 acidentes nos rios. As investigações após o casos revelaram que muitos vezes os navios transportavam passageiros além da capacidade das embarcações. 

Tudo o que sabemos sobre:
Bangladeshnaufrágioásia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.