Sobe para 12 o número de mortos em explosão em Bagdá

A explosão de um carro-bomba estacionado em frente ao prédio da embaixada da Jordânia em Bagdá na manhã desta quinta-feira deixou 12 pessoas mortas. O comandante das forças americanas na capital iraquiana, tenente-general Ricardo Sánchez, disse que há pelo menos 8 mortes confirmadas no que qualificou como ataque ?terrorista, o pior contra um alvo não-militar? desde que Bagdá foi ocupada por tropas americanas em 9 de abril. Também nesta quinta-feira, o comando dos EUA anunciou que dois soldados foram mortos e seu intérprete ficou ferido em uma troca de tiros à noite no setor bagdali de Al Rashid, mas não deu maiores detalhes. Dando seqüência a uma nova investida contra tropas americanas após quatro dias sem baixas militares, esta manhã houve um pesado tiroteio no centro de Bagdá, com vários soldados atirando contra um edifício de dois andares de onde haviam sido lançados projéteis propelidos por mísseis contra seu veículo Humvee. Pelo menos oito Humvees estacionaram no local, em meio a disparros de metralhadoras e armas automáticas. No ar, dois helicópteros acompanhavam a movimentação. Um soldado foi visto sendo retirado de dentro do edifício por cinco companheiros. De imediato não se soube se este soldado morreu ou apenas ficou ferido.Ao mesmo tempo, em torno da embaixada, vários veículos ficaram destruídos e casas vizinhas também foram atingidas. Duas pessoas morreram carbonizadas dentro do carro. Após o atentado, dezenas de iraquianos entraram na embaixada e destruíram fotos do rei Abdullah II, da Jordânia, e de seu pai, o rei Hussein. A Jordânia apoiou os Estados Unidos na ofensiva contra o Iraque. Na semana passada, duas filhas do ex-presidente iraquiano Saddam Hussein obtiveram asilo humanitário no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.