Sobe para 13 o número de mortos em atentado maoísta na Índia

Sobe para 13 o número de mortos em decorrência da explosão de uma mina acionada por rebeldes maoístas neste sábado no distrito de Kander, no estado de Chattisgarh, leste da Índia. Segundo a polícia, mais quatro pessoas ficaram feridas "Os rebeldes acionaram neste sábado o detonador de uma mina durante a passagem de um táxi 4x4, que foi confundido com um veículo da polícia, no povoado de Pakhanjur", a 250 quilômetros da capital do Estado, disse o comissário Pradeep Gupta à agência local PTI. As 13 pessoas que morreram e as quatro feridas, três delas gravemente, eram parentes de refugiados de Bangladesh estabelecidos nos arredores de Pakhanjur. Na sexta-feira, em um confronto com uma patrulha de policiais, cinco supostos maoístas morreram, incluindo um comandante, na selva de Dhanora, a 400 quilômetros da capital do Estado. O corpo do comandante foi resgatado, mas os rebeldes levaram os outros restos mortais, disseram fontes policiais, que disseram que as operações de busca prosseguem na área. A guerrilha maoísta, conhecida na Índia como "naxalita", porque se inspirou em um movimento estudantil dos anos 70 denominado "Naxalbari", iniciou há mais de duas décadas a luta armada para criar um Estado comunista independente em áreas do leste e do sul do país, onde mais de 6 mil pessoas morreram devido à violência.

Agencia Estado,

25 Março 2006 | 09h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.