Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Sobe para 13 total de mortos em acidente no México

Subiu para 13 o total de mortos em um acidente de um avião oficial do México na noite de ontem. Pelo menos 40 pessoas ficaram feridas e 30 veículos foram destruídos ou danificados. Entre os mortos está o ministro de Interior do México, Juan Camilo Mouriño. O avião caiu em uma área urbana em um bairro de classe média alta na capital mexicana. Pelo menos quatro das pessoas mortas no desastre estavam no solo. Embora tenha assegurado, inicialmente, que foi um acidente, o governo do México disse que investigará o desastre. "Não existem indicações que apóiem a possibilidade de que o desastre tenha sido outra coisa além de um acidente", disse o secretário dos Transportes do México, Luis Téllez. "Mas nós investigaremos tudo até que todas as possibilidades sejam esgotadas." Téllez disse que especialistas da Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos e três da Autoridade de Aviação Civil da Grã-Bretanha participarão das investigações para determinar as causas do acidente.O Learjet 24 caiu no bairro de Lomas de Chapultepec, no centro da capital mexicana. Os funcionários chegavam após uma reunião de trabalho em San Luis Potosí, 350 quilômetros ao norte. Morreram outros cinco funcionários do governo, o piloto, o co-piloto e uma tripulante. O ex-procurador José Luis Santiago Vasconcelos, que chefiou a luta contra as drogas no México, também morreu no acidente. Vasconcelos, no passado, perseguiu traficantes mexicanos, alguns dos quais foram extraditados aos Estados Unidos.Mouriño, de 37 anos, era ligado ao atual presidente mexicano Felipe Calderón antes dele assumir, em dezembro de 2006. Desde a posse do presidente, ele era ministro. Trata-se do segundo cargo político mais importante depois do presidente. Mouriño estava envolvido em uma polêmica com a esquerda, que o acusava de favorecer a família para obter contratos com a estatal Petróleos Mexicanos (Pemex). O ministro ainda coordenava o gabinete de segurança, área estratégica do governo.

AE-AP, Agencia Estado

05 de novembro de 2008 | 17h35

Tudo o que sabemos sobre:
Méxicoacidenteavião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.