Sobe para 18 número de mortes causadas por Sandy nos EUA

O presidente Barack Obama nesta terça-feira declarou desastre de grandes proporções na cidade de Nova York e Long Island, duas das regiões mais afetas pela supertempestade Sandy. A medida visa tornar disponíveis recursos federais para a população da área. Enquanto isso, subiu para 18 o número de mortos em sete Estados norte-americanos.

AE, Agência Estado

30 de outubro de 2012 | 13h01

A tempestade entrou nos EUA por New Jersey na noite de ontem, deixou pelo menos 7,4 milhões de pessoas sem luz na Costa Leste e na região Meio-Oeste do país e paralisou a campanha para as eleições presidenciais norte-americanas, marcadas para a próxima terça-feira.

O fenômeno natural causou a maior destruição no metrô de Nova York em seus 108 anos de existência, afirmou hoje o chefe da Autoridade de Transporte Metropolitano, Joseph Lhota. Os três grandes aeroportos da cidade foram fechados e mais de 15 mil voos foram cancelados por causa da tempestade.

Uma onda de tamanho sem precedentes (3,9 metros), atingiu a parte baixa de Manhattan, inundando túneis, estações de metrô e ruas.

Pelo menos três dos mortos foram crianças, uma delas de apenas oito anos. Pelo menos uma morte causada pela tempestade ocorreu no Canadá.

O furacão Sandy causou 69 mortes em sua passagem pelo Caribe na semana passada. Pouco antes de tocar terra firme, o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, na sigla em inglês), diminuiu sua categoria para ciclone pós-tropical, uma distinção puramente técnica, baseada na pressão interna e formato do fenômeno. O encontro de Sandy com um sistema climático de inverno formou a supertempestade que castiga os Estados Unidos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUASandy

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.