Sobe para 224 o número de mortos em templo na Índia

Falso rumor sobre bomba provocou pânico entre peregrinos no Rajastão durante peregrinação religiosa

Agências internacionais,

02 de outubro de 2008 | 08h23

Pelo menos 224 pessoas morreram na fuga precipitada da terça-feira em templo em Jodhpur, estado indiano do Rajastão (oeste), informou uma fonte oficial, que corrigiu o número prévio de 150 vítimas fatais. A confusão começou quando dezenas de milhares de peregrinos entraram em pânico por falsos rumores de que uma bomba teria sido encontrada no local. O tumulto foi o terceiro no ano registrado em eventos religiosos na Índia.   "Este súbito aumento ocorreu porque a outra contagem se baseava apenas nos corpos dos hospitais. Mas soubemos que muitas pessoas levaram seus mortos diretamente para casa, por isso não figuraram no primeiro balanço", relatou à Efe o secretário de Interior do Rajastão, S. N. Thanvi. Segundo Thanvi, essas famílias começaram a comparecer à administração nesta quarta-feira para reivindicar as ajudas prometidas (de US$ 4.200), por isso as autoridades comprovaram a autenticidade de suas reivindicações e fixaram uma nova contagem.   As autoridades reabriram na quarta-feira o templo ao público com maiores medidas de segurança, embora a afluência de peregrinos tenha caído após o acidente. O pisoteamento ocorreu no primeiro dos nove dias do festival hindu de Navratri, enquanto mais de 12 mil peregrinos se dirigiam ao forte de Mehrangarh, no povoado histórico de Jodhpur, no Estado de Rajastão. Para chegar ao templo de Chamunda, localizado dentro do forte, os peregrinos têm de caminhar por uma rampa de 2 quilômetros de comprimento e apenas alguns metros de largura.   O caminho havia sido dividido pelas autoridades em duas partes - uma para homens e outra para mulheres e crianças - com o objetivo de organizar a procissão. No entanto, quando a correria começou, o caminho destinado aos homens tornou-se escorregadio por causa das oferendas levadas até o templo. A barreira que separava o caminho também caiu.   Incidentes como esse são comuns na Índia, onde multidões se aglomeram em lugares apertados e sem controle de segurança para participar de festivais religiosos. Em agosto, 145 pessoas morreram durante um tumulto no templo de Naina Devi, que fica no alto de um morro no distrito de Bilaspur, a 255 quilômetros de Nova Délhi. De acordo com a polícia, a causa desse tumulto foi, provavelmente, um deslizamento de pedras de um morro próximo ao templo. Em janeiro de 2005, um tumulto semelhante deixou 265 mortos nas imediações de um templo no Estado de Maharashtra.

Tudo o que sabemos sobre:
Índia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.