Sobe para 26 número de mortos em enchentes na França

As chuvas torrenciais que nos últimos dois dias castigaram o sul da França já causaram pelo menos 26 mortes, informaram hoje autoridades. Ao mesmo tempo, grupos de resgate buscam por cerca de 12 pessoas consideradas desaparecidas na região.Centenas de milhares de casas continuam sem eletricidade outelefone. Por outro lado, o serviço de trens, que fora interrompido pelas águas, estava sendo restabelecido entre os maiores pontos, tais como Nimes, Montpellier e Avignon, informou a agência ferroviária estatal.O primeiro-ministro francês, Jean-Pierre Raffarin, e o ministro do Interior, Nicolas Sarkozy, sobrevoaram de helicóptero a área atingida pelas chuvas e visitaram vítimas das inundações."Estamos aqui para mostrar a solidariedade nacional", disse Raffarin em Villevielle, localidade próxima à cidade medieval deSommiers. Segundo o premier, o governo deverá liberar uma cifrainicial de 10 milhões de euros (US$ 9,8 milhões) em ajuda estatal para a região afetada. Outros 500 milhões de euros deverão ser enviados às vítimas pela União Européia.Numerosos rios nas regiões de Gard, Vaucluse e Hérauttransbordaram e vários diques romperam após o início das chuvasno domingo. Hoje, com uma melhora do tempo, foi iniciado otrabalho de limpeza e buscas.A maioria dos mortos era da região de Gard, onde estálocalizada a cidade turística de Nimes, famosa por suas ruínasromanas. De acordo com autoridades, as ruínas permanecemintactas.Funcionários de grupos de resgate na vila de Aramon, próximaa Nimes, uma das mais atingidas pelas águas, buscavam cerca de30 pessoas que não foram vistas desde o início das chuvas. Avila, onde foram registradas 12 das mortes totais, ficousubmersa depois do rompimento de uma represa nesta madrugada.De acordo com o Ministério da Defesa, em toda a região, 11helicópteros do Exército ajudaram a evacuar cerca de 1.100habitantes. Algumas pessoas foram retiradas pelos helicópterosdos tetos das casas.O ministro da Agricultura Hervé Gaymard deverá visitar amanhãGard e Hérault - importantes regiões produtoras de vinho -, ondecerca de 23.000 hectares de vinhedos ficaram sob as águas,segundo autoridades locais.Veja a galeria de fotos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.