Sobe para 26 número de peregrinos mortos no Paquistão

Homens armados abriram fogo contra peregrinos xiitas que viajavam pelo sudoeste do Paquistão nesta terça-feira, matando 26 pessoas num ataque aparentemente sectário.

AE, Agência Estado

20 Setembro 2011 | 13h30

Os peregrinos viajavam de ônibus pelo distrito de Masting, província do Baluquistão, a caminho da fronteira com o Irã, quando foram atacados, informou Khushhal Khan, motorista do veículo, que levava pelo menos 40 pessoas.

Uma picape bloqueou a passagem do veículo e um grupo de pelo menos oito homens com foguetes e armas forçou os passageiros a sair do ônibus, disse Khan a uma emissora local de televisão.

Os passageiros tentaram correr, mas os homens abriram fogo matando 26 pessoas e deixando seis feridas. A seguir, os homens entraram na picape e fugiram em disparada, afirmou Khan. Os feridos permaneceram no local por quase uma hora até que a chegada das equipes de resgate, disse ele.

Imagens da televisão local mostraram os homens da equipe de resgate colocando os mortos e feridos em ambulâncias a caminho da capital Quetta, que fica a cerca de 55 quilômetros ao norte.

Veículos com peregrinos xiitas costumam receber proteção quando viajam por Mastung, mas as autoridades não foram notificadas sobre o ônibus em questão, afirmou Saeed Umrani, funcionário do governo de Mastung.

Pouco depois do ataque, homens armados numa motocicleta abriram fogo contra um veículo que levava xiitas em Quetta, matando duas pessoas e deixando várias feridas, informou o policial Hamid Shakil.

O Paquistão é um pais de maioria sunita e embora a maioria dos sunitas e xiitas paquistaneses vivam juntos pacificamente, extremistas dos dois lados costumam atacar líderes e ativistas da outra seita.

A divisão de muçulmanos xiitas e sunitas remonta ao século 7 e foi provocada pela divergência sobre quem seria o verdadeiro herdeiro do profeta Maomé. As informações são da Associated Press e da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Paquistão morte peregrinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.