Sobe para 27 o número de mortos em explosão na China

Subiu para 27 o número de pessoas mortas e para 12 o de desaparecidas em conseqüência de uma explosão ocorrida nesta segunda-feira em um complexo hospitalar da cidade de Yuanping, na província nortista chinesa de Shanxi, informou a agência oficial Xinhua. A explosão ocorreu em uma garagem do centro médico às 2h25 (15h25 de domingo em Brasília) e afetou edificações num raio de um quilômetro, especialmente o local onde médicos e enfermeiros do hospital residiam, que ficou quase completamente destruído. No entanto, o edifício principal do hospital, com capacidade para 300 pacientes, sofreu danos menores, como quebras de vidros, informaram fontes hospitalares. Segundo testemunhas, a polícia isolou a área afetada e não permite o acesso à imprensa ou às pessoas que trabalham no lugar. O hospital pertence à empresa Xuangang, uma sociedade limitada dona de minas de carvão e centrais térmicas na área, e funciona como centro médico para os operários da companhia, aparentemente dentro do mesmo recinto onde vivem e trabalham. Um morador da cidade, que não quis se identificar, disse que o número de mortos poderia ser muito maior, "talvez até 60", já que a explosão atingiu gravemente o imóvel de cinco andares. De acordo com a fonte, a explosão foi causada por "dinamite ou algum tipo de explosivo", aparentemente armazenados no interior da garagem do edifício mais afetado. As investigações não descartam a possibilidade de que as explosões tenham sido intencionais, asseguraram moradores das áreas próximas. Nos últimos meses, foram relatados vários casos de mortes por explosões de dinamite em Shanxi, a maior produtora de carvão do país, geralmente em minas de carvão, mas às vezes também em casas, armazéns e outros lugares onde os explosivos eram armazenados ilegalmente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.