Sobe para 27 o número de mortos em explosão no México

Suspeita-se que a explosão tenha ocorrido em um ponto do oleoduto de onde pessoas tentavam roubar petróleo; pelo menos 52 pessoas ficaram feridas

Agência Estado

19 de dezembro de 2010 | 17h17

Perigo. Autoridades locais suspeitam que a explosão tenha acontecido em um ponto do oleoduto de onde pessoas tentavam roubar petróleo

Subiu para 27 o número de pessoas mortas na explosão de um oleoduto da empresa Petróleos Mexicanos (Pemex) em Puebla, região central do México, informaram autoridades locais. Pelo menos 52 pessoas ficaram feridas.

Suspeita-se que a explosão tenha ocorrido em um ponto do oleoduto de onde pessoas tentavam roubar petróleo.

O porta-voz da Secretaria de Governo do Estado de Puebla, Noé Torres, disse por telefone à Associated Press que a explosão ocorreu por volta das 5h30 locais de hoje em San Martín Texmelucan, pouco mais de 90 quilômetros ao leste da Cidade do México.

Segundo ele, quatro explosões menores ocorreram posteriormente e centenas de pessoas fugiram das adjacências do oleoduto. O oleoduto passa pela área urbana de San Martín Texmelucan, motivo pelo qual a explosão deu início a um incêndio que atingia diversas residências próximas.

A defesa civil, os bombeiros e o exército trabalham para impedir que uma nova explosão aconteça e tentam determinar a causa da tragédia.

O secretário de Governo de Puebla, Valentín Meneses, disse à Milenio Televisión que 22 pessoas morreram e 32 foram socorridas em hospitais do Estado. Ainda segundo ele, 32 casas foram totalmente destruídas e 83 imóveis sofreram danos parciais.

Noé Torres, o porta-voz, disse que ainda não foi possível identificar os mortos e que pelo menos dois dos feridos sofreram queimaduras graves. As informações são da Associated Press.

Texto atualizado 20h46

Tudo o que sabemos sobre:
Méxicoexplosãooleoduto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.