Sobe para 272 total de mortos em terremoto na Itália

O primeiro-ministro Silvio Berlusconi anunciou hoje que subiu para 272 o número de pessoas mortas no terremoto que atingiu na madrugada de segunda-feira a região central da Itália. O papa Bento XVI disse que visitará a capital da região do Abruzzo, L''Aquila, nos próximos dias. O chefe de governo informou também que a defesa civil italiana estabeleceu 31 acampamentos e 24 cozinhas comunitárias e posicionou 14 unidades médicas móveis para atender aos milhares de desabrigados em L''Aquila, a cerca de cem quilômetros de Roma.

AE-AP, Agencia Estado

08 de abril de 2009 | 19h15

De acordo com as informações de Berlusconi, há 16 crianças entre as vítimas. Os primeiros funerais começaram a ser realizados hoje. Essa foi a terceira visita de Berlusconi à região desde o terremoto de 6,3 graus na escala Richter. Berlusconi saltou de um helicóptero militar e tentou aparentar otimismo, mas hoje foi obrigado a dizer que o que viu em L''Aquila foi "muito pior que imaginava". Ele vestiu um capacete de bombeiro e circulou pelo devastado centro histórico da capital do Abruzzo, informou a agência italiana Ansa.

Ainda de acordo com Berlusconi, quase 28 mil pessoas ficaram desabrigadas, sendo que 17.772 estão em barracas espalhadas pelos 31 acampamentos e cerca de 10 mil estão hospedadas em hotéis. O prefeito de L''Aquila, Massimo Cialente, disse que as necessidades básicas das pessoas nas tendas, como abrigo provisório e alimentação, estão satisfeitas, mas pediu por uma rápida melhora nas condições dos alojados nas barracas. "Até agora as necessidades são básicas. Mas as pessoas nos acampamentos não têm escovas e pastas de dente. Você não encontra um lugar para comprar café e cigarros", disse Cialente.

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliaterremotomortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.