Sobe para 29 número de mortos em atentado no Iraque

Um homem-bomba se explodiu na noite de hoje dentro da maior mesquita sunita de Bagdá, matando 29 pessoas e ferindo outras 38 durante as preces que precedem o feriado islâmico do Eid al-Fitir, que marca o fim do mês do Ramadã, na próxima terça-feira. Policiais iraquianos disseram que o deputado Khalid al-Fahdawi, um muçulmano sunita, está entre os mortos.

AE, Agência Estado

28 de agosto de 2011 | 19h53

O major general Qassim al-Moussawi, porta-voz do comando das operações militares de Bagdá, confirmou que o atentado aconteceu na mesquita de Um al-Qura, no bairro de Al-Kamiaah. A mesquita, com cúpula azul, é a maior frequentada pelos muçulmanos sunitas da capital iraquiana.

Em comunicado emitido já na madrugada de segunda-feira, o primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki, apelou aos iraquianos que lutem juntos contra os terroristas e os persigam "estejam onde estiverem". O número de mortos e feridos foi fornecido por médicos de dois hospitais de Bagdá e também por dois oficiais da polícia. Todos falaram sob anonimato.

Nenhum grupo extremista assumiu a autoria do atentado, mas ataques com suicidas geralmente são desfechados pela rede extremista Al-Qaeda, que é sunita. Funcionários da inteligência iraquiana especulam se a Al-Qaeda começa a realizar ataques contra sunitas para realimentar a violência sectária no Iraque, cuja maioria da população é muçulmana xiita. Al-Moussawi diz acreditar que como a segurança inteira da mesquita é feita por guardas sunitas, é possível que o agressor tenha entrado no templo com a ajuda de alguém de dentro do local. Cerca de 200 pessoas rezavam na mesquita quando ocorreu a explosão. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
atentadoIraquemesquitamortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.