Sobe para 301 número de mortos em mina na Turquia

Ministro disse que as equipes realizavam uma última busca para confirmar o número final de mortos

Agência Estado,

17 Maio 2014 | 11h49

O número de mortos no acidente ocorrido na última quarta-feira em uma mina de carvão na Turquia subiu para 301, reforçando o título de acidente mais mortal do gênero na história do país. Outros 485 mineiros escaparam ou foram resgatados.

O ministro da Energia da Turquia Taner Yildiz disse que equipes realizavam uma última busca para confirmar o número final de mortos. "Os nossos esforços serão chegando ao fim", disse.

 

Empregados da Soma Holding, empresa que explora a mina, acusam a mineradora de negligência, enquanto funcionários do governo e da mineradora têm insistido que o desastre não se deveu a negligência e a mina foi inspecionada regularmente.

 

"A empresa é culpada", disse o mineiro Erdal Bicak, que decidiu não voltar a trabalhar em qualquer mina novamente. Ele contou que tinha acabado de terminar seu turno de terça-feira e estava se encaminhando para deixar a mina quando gerentes ordenaram que ele evacuasse por causa de um problema na mina de carvão. Trabalhadores se reuniram em uma área para rapidamente colocar máscaras de gás.

 

Segundo o mineiro, os gerentes tinham equipamentos que medem os níveis de gás metano. "Os novos níveis de gás ficaram muito altos e eles não nos disseram a tempo", disse. Bicak também disse que os inspetores de segurança do governo nunca visitaram o patamares inferiores da mina e não tinham ideia das más condições dos trabalhadores no subterrâneo.

 

O gerente de operações da mina Soma, Akin Celik, disse que a espessa fumaça do incêndio subterrâneo matou mineiros que não usavam máscaras de gás. Altos níveis de dióxido de carbono e monóxido de carbono também eram um problema para as equipes de resgate.

 

O jornal Milliyet informou neste sábado sobre um relatório preliminar feito por um especialista em segurança de minas que entrou na mina. O documento sugere que a combustão do carvão teria causado o colapso do teto da mina. O relatório diz que vigas de suporte do túnel eram feitas de madeira, não de metal, e que não havia sensores de monóxido de carbono suficientes.

 

A indignação pública aumentou na Turquia após o acidente na mina. Na última sexta-feira, a polícia usou gás lacrimogêneo e canhões de água para dispersar os manifestantes que exigiam que o governo do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan renunciasse. Em Istambul, a polícia dispersou uma multidão que acendeu velas para homenagear as vítimas do desastre. Neste sábado, a polícia aumentou a segurança em Soma para evitar novos protestos. Fonte: Associated Press

 
Mais conteúdo sobre:
turquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.