Sobe para 32 número de mortos por vulcão na Indonésia

Merapi é um dos vulcões mais ativos do arquipélago; 50 mil pessoas estão desabrigadas

Efe

28 de outubro de 2010 | 05h36

JACARTA - As autoridades da Indonésia elevaram nesta quinta-feira, 28, para 32 o número de mortes em decorrência da erupção, na última terça-feira, do vulcão Merapi na ilha de Java, enquanto o número de feridos ronda os 100 e os desabrigados já são mais de 50 mil, informaram fontes oficiais.

Do total de mortes, 25 ocorreram na encosta do Merapi, um dos vulcões mais ativos do arquipélago. As outras sete vítimas morreram no hospital devido aos graves ferimentos, indicou Agustinus, porta-voz policial da cidade de Yogyakarta.

Os mais de 50 mil desabrigados se aglomeram nas imediações de Yogyakarta, principal cidade da ilha de Java. Outros moradores locais decidiram voltar ao entorno do vulcão, apesar do perigo.

"O vulcão esteve relativamente em calma. Sua atividade se desacelerou desde a erupção. Temos de avaliar sua atividade nos próximos dias", explicou Subandrio, do Centro de Vulcanologia da Indonésia.

A erupção do vulcão, cujo nome significa "Montanha de Fogo", aconteceu um dia depois do terremoto seguido de tsunami que deixaram 311 mortos e quase 379 desaparecidos nas ilhas indonésias Mentawai, próximo ao litoral de Sumatra.

Um manto de cinzas cobre as casas, árvores e plantações que não chegaram a ser atingidos pela lava do Merapi, cuja altitude é de 2.914 metros.

A maioria dos corpos resgatados está parcialmente carbonizada. Já os feridos sofrem problemas respiratórios e queimaduras.

Entre os mortos está um bebê de três meses, que morreu de asfixia, um jornalista e o guarda espiritual da montanha do vulcão, o respeitado Mbah (avô) Maridjan, que morreu enquanto orava pelo fim da erupção em sua casa, numa aldeia a quatro quilômetros da cratera.

Ao lado do guarda, de 83 anos, e entre os restos da casa, as equipes de resgate encontraram também 14 corpos. O grupo estava no local para buscar a proteção do venerado Maridjan.

Soldados, policiais e voluntários usando máscaras brancas de proteção participam das operações de busca por sobreviventes. O Merapi fica 30 quilômetros ao norte de cidade de Yogyakarta.

Uma das piores eruções do Merapi foi em 1930, quando cerca de 1.300 pessoas morreram.

Há quatro anos, quando o Merapi explodiu pela última vez, duas pessoas morreram. A cidade de Yogyakarta sofreu um terremoto e ficou envolvida em uma nuvem de cinzas e gases.

A Indonésia fica situada sobre o chamado Círculo de Fogo do Pacífico, uma região de grade atividade sísmica, onde cerca de 129 dos mais de 400 vulcões estão ativos.

Tudo o que sabemos sobre:
Merapi, Indonésia, vulcão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.