Sobe para 376 número de mortos por tragédia na Indonésia

Tsunami e erupção de vulcão deixam ainda 338 desaparecidos e 4 mil desabrigados

Efe

28 de outubro de 2010 | 05h38

Atualizado às 7h40

 

Soldados realizam enterro de vítimas do vulcão Merapi em Umbulharjo.

 

PADANG - A autoridades da Indonésia elevaram nesta quinta-feira, 28, para 376 o número de mortes causadas pelo terremoto de magnitude 7,7 seguido de tsunami que atingiu o arquipélago de Mentawai, no oeste do país, na segunda-feira, e pela erupção do vulcão Merapi, na ilha de Java, um dia depois.

 

Veja também:

mais imagens Galeria de fotos: A fúria do Merapi

mais imagens Terremoto e tsunami na Indonésia

 

Ferry Faisal, autoridade da Agência Nacional de Gestão de Desastres de Sumatra Ocidental, indicou que "338 pessoas permanecem desaparecidas" em decorrência do tremor e do tsunami. Outras 343 morreram no tremor. A erupção do Merapi deixou, até agora, 33 mortos.

 

As autoridades ainda acreditam que o número de vítimas pode aumentar significantemente, já que especialistas dizem que muitos corpos podem ter sido arrastados para o mar.

Além disso, cerca de 46 mil pessoas perderam suas casas, destruídas por ondas de até seis metros que adentraram em torno de 600 metros nas ilhas Mentawai, situadas próximo ao litoral de Sumatra, e por conta das cinzas e rochas expelidas pelo vulcão.

Nesta quarta-feira, chegou à ilha de Pagai, norte de Mentawai, o primeiro avião com ajuda humanitária, carregado com 16 toneladas de barracas, remédios, alimentos e roupas. As equipes de emergência, no entanto, estão tendo problemas para chegar a algumas das remotas ilhas.Um grande número de desabrigados passou a última noite sem teto, diante da falta de barracas na região.

A Agência de Meteorologia e Geofísica reconheceu que os sistemas de alarme de tsunami, dotados com boias de detenção no mar, deixaram de funcionar há um mês devido à falta de manutenção. "Não temos suficiente pessoal qualificado para supervisionar o funcionamento das boias", admitiu o diretor dessa Agência.

No entanto, as autoridades indicaram que o alerta teria sido inútil, pois as ilhas - um destino turístico para surfistas - estavam muito perto do epicentro do terremoto e as ondas atingiram cinco ou dez minutos depois.

A falha onde aconteceu o terremoto é a mesma que, em 26 de dezembro de 2004, causou o tremor de magnitude 9,1 seguido de tsunami, que destruiu localidades litorâneas de nações banhadas pelo Oceano Índico e matou 226 mil pessoas. 

A Indonésia fica sobre o chamado Círculo de Fogo do Pacífico, uma zona de grande atividade sísmica e vulcânica que é atingida por cerca de 7 mil tremores anualmente, a maioria de baixa magnitude e não sentida pela população.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.