Sobe para 47 número de mortos pelo tufão no Japão

Helicópteros levaram suprimentos nesta terça-feira a milhares de pessoas ainda isoladas pela pior tempestade a atingir o Japão em 28 anos. O tufão Talas deixou pelo menos 47 mortos e 54 desaparecidos em um país que ainda luta para se recuperar do devastador tsunami que atingiu a costa japonesa há apenas seis meses. Os helicópteros desceram nas áreas mais atingidas, enquanto a polícia, os bombeiros e os soldados se mobilizaram para limpar as estradas e distribuir alimentos, remédios e auxílio a comunidades que estão se mantendo sozinhas desde que o tufão atingiu a costa no sábado passado.

AE, Agência Estado

06 Setembro 2011 | 15h56

Dezenas de povoados com milhares de pessoas no Japão central ainda estão sem contato com o resto do país por causa das enchentes, deslizamentos de terras e rodovias danificadas, informou a agência de notícias Kyodo. Cerca de 3 mil pessoas permanecem em abrigos.

Quando o tufão Talas se aproximou do Japão, quase meio milhão de pessoas receberam a recomendação para deixar suas casas. O tufão foi rebaixado para tempestade tropical após tocar a terra, mas o Japão central e ocidental recebeu quantidades recordes de chuvas. Na prefeitura de Wakayama, a mais atingida, os socorristas recuperaram nove corpos nesta terça-feira e 34 pessoas ainda estão desaparecidas, disse a polícia. Isso elevou a 47 o número de mortos no país. A Agência de Gerenciamento de Desastres e Incêndios no Japão disse hoje que 54 pessoas ainda estão desaparecidas, inclusive em Wakayama.

O número de 100 mortos e desaparecidos pelo tufão no Japão é o maior desde 1983, quando 117 pessoas morreram ou ficaram desaparecidas. O tufão Talas, contudo, poupou a região nordeste do Japão, onde 21 mil pessoas foram mortas ou ficaram desaparecidas após o desastre de 11 de março.

As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Japão tufão Talas Wakayama

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.