Sobe para 48 mortos em naufrágio em ilha do Índico

Primeira-ministra da Austrália disse não saber com exatidão número de vítimas por desconhecer tamanho da tripulação clandestina

Efe

20 de dezembro de 2010 | 02h59

O Governo da Austrália aumentou nesta segunda-feira, 20, para 48 o número de imigrantes ilegais mortos depois que o navio no qual viajavam afundou em frente ao litoral da ilha do Natal no Oceano Índico.

 

A primeira-ministra, Julia Gillard, admitiu em entrevista coletiva que é possível que não se chegue a se saber o número total de vítimas fatais, pois ainda não se sabe exatamente quantos clandestinos iam a bordo do pesqueiro indonésio quando bateu contra as rochas.

 

Por enquanto foram localizados 30 corpos e 42 sobreviventes resgatados, portanto outras 18 pessoas morreram no acidente. Apesar da magnitude da tragédia, Julia insistiu em que a Austrália não mudará o processo que continua quando recebe imigrantes na busca de refúgio político.

 

"O modelo de negócio do tráfico ilegal de pessoas continuará enquanto as pessoas acreditarem que se pagam e arriscam sua vida no mar, seus pedidos serão processados e tratados de forma diferente que se ficassem onde estão", ressaltou a chefe do Executivo australiano.

 

Todos os anos, centenas de irregulares chegam por mar à Austrália na busca de um futuro melhor, muitos deles procedentes de regiões em conflito como Afeganistão, Iraque e Sri Lanka.

Tudo o que sabemos sobre:
Austráliailha do NatalOceano Índico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.