Foto: Noah Berger / AP
Foto: Noah Berger / AP

Sobe para 50 o número de mortos em incêndios na Califórnia

48 pessoas morreram no norte do Estado e outros dois corpos foram encontrados na região sul

O Estado de S.Paulo

14 Novembro 2018 | 03h13

SÃO FRANCISCO, EUA - As autoridades norte-americanas informaram nesta terça-feira, 13, que encontraram outros seis corpos no incêndio que atinge o norte da Califórnia. Com isso, o número total de mortos no Estado subiu para 50.

Em entrevista coletiva, o xerife do condado de Butte, Kory Honea, afirmou que pediu o apoio de 100 reservistas da Guarda Nacional dos Estados Unidos para que ajudem nas tarefas de localização de outras pessoas desaparecidas.

Até segunda-feira, 12, o número de desaparecidos reportados pelas autoridades era de cerca de 200, mas Honea disse não poder dar um número atualizado (que não leve em conta os que foram localizados nas últimas horas) por conta do enorme volume de trabalho causado pela situação caótica.

O chamado "Camp Fire", que está situado 280 quilômetros ao nordeste de São Francisco e destruiu a cidade de Paradise (de 26 mil habitantes), já é, com 48 mortos, o mais mortífero da história do Estado, além do mais destrutivo por ter arrasado 8.917 edifícios.

As outras duas vítimas morreram no outro grande incêndio que atinge o sul do Estado, perto de Los Angeles, e cujos corpos foram achados carbonizados no veículo no qual tinham tentado escapar das chamas.

Paradise está localizada aos pés da Sierra Nevada, em meio a um clima seco e ensolarado que no último meio século atraiu muitos aposentados, o que fez com que a população triplicasse em 50 anos.

Meios de comunicação locais apontaram que muitas das pessoas que permanecem desaparecidas são idosos, alguns com mobilidade reduzida, o que teria dificultado sua evacuação.

O incêndio começou na manhã da última quinta-feira, 8, por causas ainda desconhecidas e desde então queimou 52,6 mil hectares de um terreno extremamente seco. A polícia local indicou que faz mais de 200 dias que choveu pela última vez na região.

Por enquanto, os bombeiros conseguiram conter apenas 35% das chamas.\ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.