Sobe para 54 total de mortos por mulher-bomba no Iraque

Subiu para 54 o número de mortos em um ataque realizado hoje por uma mulher-bomba no norte de Bagdá, de acordo com a polícia local. Outras 117 pessoas ficaram feridas. Os alvos eram xiitas, que faziam uma peregrinação anual para a cidade sagrada de Karbala.

AE-AP, Agencia Estado

01 de fevereiro de 2010 | 19h04

A mulher escondeu os explosivos debaixo da abaya - vestimenta preta que cobre as mulheres dos pés à cabeça - em Shaab, bairro de Bagdá dominado por xiitas, disse o major-general Qassim al-Moussawi, principal porta-voz militar da capital iraquiana.

A mulher se explodiu quando estava numa fila de mulheres que seriam revistadas por seguranças femininas num posto de verificação dentro de uma tenta de descanso, disse al-Moussawi.

Testemunhas descreveram a cena caótica minutos após a explosão. Raheem Kadhom, de 35 anos, estava a cerca de 140 metros do local e disse que uma grande bola de fogo surgiu em meio aos peregrinos, que ficaram "no chão, cobertos de sangue e pedindo ajuda", disse ele.

As autoridades iraquianas não têm policiais suficientes para fazer revistas na maioria dos postos de verificação, e as forças de segurança relutam em usar cães farejadores de bombas por questões culturais.

Centenas de milhares de xiitas devem caminhar para Kerbala para celebrar os 40 dias de luto que se segue à Ashura, o aniversário da morte do imã Hussein, uma reverenciada figura xiita que está enterrado na cidade.

O ministro Nacional de Segurança Sherwan al-Waeli foi enviado para Kerbala pelo primeiro-ministro Nouri al-Maliki para supervisionar a segurança no local, informou a agência de notícias Aswat al-Iraq nesta segunda-feira.

Com informações da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraquesuicidamortesmulher-bombaxiitas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.