Sobe para 5.623 o total de mortos no terremoto de Java

Os mortos em conseqüência do terremoto de sábado passado na ilha de Java já chegam a 5.623, segundo os últimos dados atualizados pelas equipes de resgate regionais.Dois terços das vítimas se concentram no distrito de Bantul, um dos mais próximos ao epicentro do tremor e onde trabalha a maior parte das organizações humanitárias.As equipes de resgate governamentais encerraram as buscas por sobreviventes e se centram agora na retirada de cadáveres, que são enterrados imediatamente para evitar o surgimento de epidemias.O número de feridos contabilizados até o momento supera os 15 mil, embora grande parte deles já tenha recebido alta. Ajuda da UnescoA Unesco ofereceu nesta terça-feira sua ajuda à Indonésia para reparar os danos causados pelo terremoto em um complexo de templos que integra o Patrimônio Mundial da Humanidade.O diretor da Organização da ONU para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), Koichiro Matsuura, também propôs a assistência da instituição à Indonésia em suas outras áreas de competência, como educação e reabilitação dos meios de comunicação, segundo um comunicado.As primeiras informações indicam que o complexo de Prambanan, do século X e inscrito em 1991 na lista do Patrimônio Mundial da Unesco, foi afetado pelo terremoto de sábado passado.A Unesco indicou que, segundo a imprensa, partes dos templos caíram, destruindo "anos de trabalhos de restauração".Se solicitada, a organização enviará uma missão a Java para avaliar o alcance dos danos sofridos pelas áreas do Patrimônio Mundial.Na quinta-feira, um dos representantes da Unesco participará de uma reunião com as autoridades indonésias para estudar as medidas que serão tomadas para salvaguardar e restaurar os templos de Prambanan.O conjunto de Borobudur, dos séculos VIII e IX, que também integra desde 1991 a lista do Patrimônio Mundial, não teria sofrido danos no terremoto, segundo a Unesco.A Indonésia tem três lugares culturais e quatro naturais inscritos no Patrimônio Mundial. Três deles estão situados em Java.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.