Sobe para 60 número de mortos em violência na Somália

Dois dias de violentos combates entre militantes islâmicos e forças que desafiam o poder dos clérigos muçulmanos somalis elevaram para pelo menos 60 o número de mortos na capital Mogadiscio, informaram funcionários de hospitais locais. Pelo menos 20 pessoas morreram em episódios de violência registrados nesta quinta-feira. Na quarta-feira, os hospitais receberam 40 corpos de vítimas dos confrontos, disse o doutor Adbi Ibrahim. De acordo com Ibrahim, os números foram coletados junto à administração dos hospitais de Mogadiscio pela associação de médicos da capital da Somália. Pelo menos dez combatentes morreram na linha de frente dos combates, comentou Abdulkadir Ahmed, que disse ter visto os corpos enquanto fugia da cidade. Alguns clérigos islâmicos denunciaram a violência e pressionam para que ambas as partes suspendam incondicionalmente as hostilidades para negociar uma solução. A Somália carece de um governo central efetivo desde 1991, quando senhores da guerra derrubaram o governo e deflagraram uma guerra civil. Os senhores da guerra são líderes militares que constituem a única autoridade em algumas regiões da Somália. Os clérigos fundamentalistas islâmicos tentam mostrar-se como uma alternativa, mas senhores da guerra e empresários locais aliaram-se no mês passado para fazer frente aos líderes religiosos, desencadeando episódios de violência desde então.

Agencia Estado,

23 Março 2006 | 14h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.