Sobe para 63 número de mortos em atentados no Iraque

Bombas explodiram em pelo menos 17 cidades iraquianas nesta segunda-feira, matando 63 pessoas e ferindo cerca de 250, a maioria na cidade de Kut, no sul do país. A onda de violência atingiu tanto áreas do norte sunita quanto do sul xiita e prejudicou o que até então era um relativamente calmo mês sagrado do Ramadã no Iraque. Até o momento, nenhum grupo reivindicou a autoria dos atentados.

Agência Estado

15 de agosto de 2011 | 18h21

As explosões, aparentemente, foram coordenadas e incluíram carros-bomba estacionados, um carro-bomba guiado por um suicida que atacou uma delegacia de polícia e explosivos instalados perto de locais com aglomerações. Apenas a província de Diyala foi atingida por sete explosões em várias cidades.

Os porta-vozes do primeiro-ministro, Nouri al-Maliki, e dos militares iraquianos não responderam aos pedidos de entrevistas. A população local culpou a inoperância do governo pelos atentados, principalmente em Kut, cidade mais atingida.

A violência, que abrangeu uma área que vai da cidade de Kirkuk, no norte, até a capital Bagdá e cidades xiitas no sul, como Najaf, Kut e Kerbala, destaca a persistente capacidade dos insurgentes de causar estragos num momento em que autoridades iraquianas avaliam se têm capacidade para proteger o país sem a assistência das tropas norte-americanas.

O pior episódio foi registrado na cidade de Kut, sul do Iraque, 60 quilômetros a sudeste de Bagdá, onde uma explosão dupla atingiu trabalhadores da construção civil quando eles estavam reunidos num mercado que vendia geradores e outros aparelhos. O porta-voz da polícia, tenente-coronel Dhurgam Mohammed Hassan, disse que a primeira bomba explodiu num freezer. Quando equipes de resgate e pessoas que estavam nas proximidades se aproximaram, um carro-bomba que estava estacionado explodiu.

O chefe do comitê de segurança da província de Wasit, Shamil Mansour, disse que 35 pessoas morreram somente nesse episódio e outro funcionário disse que os feridos são 64.

Na província de Diyala, sete bombas explodiram na capital Baquba e em cidades próximas, disse Faris al-Azawi, porta-voz do diretório de saúde local. Cinco soldados morreram em Baquba e mais seis pessoas perderam a vida em outros locais da província.

Nas proximidades da cidade sagrada de Najaf, um suicida jogou seu carro contra um posto de verificação do lado de fora de um prédio da polícia, disse Luay al-Yassiri, chefe do comitê de segurança provincial. A polícia abriu fogo contra o veículo quando o motorista não parou no posto de verificação e então o veículo explodiu. Segundo Al-Yassiri, seis pessoas morreram e 32 ficaram feridas.

Nas proximidades de Kerbala, um carro estacionado explodiu, matando três policiais e deixando 14 feridos, segundo dois policiais.

Em Kirkuk, no norte, um carro-bomba explodiu perto de uma patrulha policial, ferindo quatro policiais. Trinta minutos mais tarde, uma pessoa foi morta quanto uma motocicleta-bomba explodiu perto da Igreja Ortodoxa Síria. Em Iskandiriyah, a explosão de um carro-bomba estacionado, quando passava uma patrulha da polícia, deixou dois mortos. Outra pessoa foi morta por uma bomba em Mossul, também no norte do país.

Em Bagdá, um carro estacionado explodiu perto de um comboio que levava funcionários do Ministério de Educação Superior, deixando oito feridos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.