Sobe para 66 número de mortos em choques na Colômbia

O número de mortos em choques separados de soldados do Exército da Colômbia com guerrilheiros de esquerda e paramilitares de direita subiu para 66 nesta segunda-feira, informou o general Martin Orlando Carreño, comandante do Estado-Maior das Forças Armadas colombianas. No sábado, soldados mataram 22 paramilitares das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) nos arredores de Villanueva, cerca de 320 quilômetros a sudeste de Bogotá, informou o comandante. Outros dez soldados colombianos morreram no confronto.No mesmo dia, em uma ofensiva separada contra as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) nos arredores de Llano Grande, cerca de 350 quilômetros a noroeste de Bogotá, soldados colombianos mataram 24 membros do grupo guerrilheiro esquerdista, prosseguiu Carreño.Ele disse ainda que tiroteios esporádicos ocorridos em diversas partes do país durante o fim de semana resultaram na morte de oito seguidores do grupo guerrilheiro Exército de Libertação Nacional, um das Farc e outro das AUC.MassacreCarreño disse que o Exército lançou a ofensiva contra a força de cerca de 200 paramilitares de direita nos arredores de Villanueva para impedir que eles perpetrassem um massacre contra uma aldeia suspeita de cooperar com um grupo paramilitar rival. "A aldeia foi saqueada e seus moradores estavam prestes a ser massacrados, mas chegamos a tempo", garantiu Carreño a jornalistas. Segundo ele, as duas facções disputam o poder sobre Casanare, uma região colombiana rica em petróleo.As AUC, principal grupo paramilitar da Colômbia, haviam declarado um cessar-fogo unilateral. Entretanto, muitos de seus membros continuam promovendo ações armadas e assassinatos. A Colômbia é palco de um conflito armado de quase quatro décadas que causa a morte de aproximadamente 3.500 pessoas por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.