Sobe para 74 número de mortos pelas chuvas na Europa

O número de mortes em decorrência das fortes chuvas que arrasam partes da Europa aumentou hoje para 74 com 58 delas registradas apenas na Rússia, principalmente na costa do Mar Negro. Equipes de limpeza utilizaram gruas gigantes par retirar carros e entulhos do Mar Negro, em torno do qual uma grande quantidade de cidades turísticas russas foram devastadas pelas enchentes. Milhares de turistas russos que viajaram ao litoral durante as férias de verão (boreal) foram surpreendidos pelas chuvas torrenciais. Muitos tiveram seus carros levados para dentro do mar por uma muralha de água que desceu das montanhas. De acordo com a agência de notícias russa Interfax, cerca de 4.000 turistas continuam ilhados em Shirokaya Balka, um povoado costeiro que foi devastado pela inundação. Uma equipe de investigação foi formada para examinar as mortes na Rússia. O time também investigará o motivo de alguns edifícios terem sido construídos em lugares proibidos devido à erosão e possibilidade de inundação. A Áustria registrou suas primeiras três vítimas fatais em mais de uma semana de inundações sem precedentes. Duas pessoas morreram afogadas em rios que transbordaram na província de Salzburgo e uma terceira pereceu na águas de um rio em Kirchheim. No Danúbio Azul, o nível da água é medido incessantemente. Como medida de precaução, as autoridades já interromperam o tráfego fluvial no famoso rio que corta Viena. Na Alemanha, um policial foi morto quando seu automóvel virou a caminhou de Wismar, na costa báltica, e uma mulher de 68 anos morreu afogada quando tentava bombear a água que invadiu o sótão de sua casa. Em uma área próxima à cidade de Jena, uma pessoa morreu em um acidente de automóveis que deixou outras nove feridas. Na República Checa, milhares de pessoas abandonaram suas casas hoje depois que vários rios transbordaram. Em Radotin, um povoado ao oeste de Praga, um homem de 55 anos morreu afogado nas águas de um rio, elevando para sete o número de mortos pelas chuvas no país. No oeste da Suíça, as chuvas torrenciais provocaram vários deslizamentos, um dos quais interrompeu a linha férrea que une as cidades de Chur e Arosa. Um outro ocorrido na montanha de Griesalp, no centro do país, arrasou uma ponte e deixou mais de 150 pessoas presas até que fora instalado um cordão de emergência. No norte da Itália, país onde não foi registrada nenhuma morte até agora pelas águas, a chuva causou prejuízos de cerca de 300 milhões de euros à agricultura. O primeiro-ministro Silvio Berlusconi anunciou hoje a liberação de 50 milhões de euros em ajuda de emergência para a região afetada.

Agencia Estado,

12 Agosto 2002 | 18h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.