Altaf Qadri/`P
Altaf Qadri/`P

Sobe para 86 número de mortos pelo terremoto no Himalaia

Na região de Sikkim na Índia foi a mais afetada pela catástrofe, com mais de 50 vítimas

EFE

20 Setembro 2011 | 11h06

NOVA DÉLHI - O número de mortos pelo terremoto que assolou no domingo o leste da cordilheira do Himalaia subiu nesta terça-feira, 20, para 86, com a aparição de novos corpos na Índia, à medida que avança o trabalho das equipes de resgate.

 

Na região nordeste de Sikkim, a mais afetada pela catástrofe, foram contabilizadas 50 vítimas até o momento, segundo confirmou à Agência Efe o chefe administrativo regional, Carma Gyatso.

 

Outras 12 pessoas morreram na região de Bengala e seis em Bihar, disse hoje o secretário de Interior indiano, R.K. Singh, enquanto 11 mais perderam a vida no Nepal e sete no Tibete chinês, de acordo com a imprensa local.

 

"O balanço pode aumentar ainda mais, à medida que as equipes de resgate chegarem às zonas mais afastadas", reconheceu Singh.

 

O Exército da Índia chegou hoje de helicóptero até o local onde ocorreu o epicentro do terremoto, Mangan, uma localidade no norte de Sikkim que ficou incomunicável pelo sismo.

 

As autoridades ordenaram o desdobramento de mais de cinco mil policiais e paramilitares, acrescentou o secretário de Interior, e disponibilizaram cerca de 100 acampamentos para proporcionar comida e remédios para os povoados mais afetados.

 

O terremoto, de 6,9 graus, ocorreu na tarde de domingo e causou muitos deslizamentos de terra que interromperam as principais vias de comunicação entre Sikkim, um pequeno território no Himalaia, e o resto da Índia.

 

A zona registrou fortes chuvas desde então, o que dificultou as tarefas de assistência, mas os serviços de resgate conseguiram restabelecer a comunicação por estrada entre Gangtok e a contígua região de Bengala.

 

A cordilheira do Himalaia, que possui uma intensa atividade sísmica, se encontra sobre a confluência entre as placas tectônicas euroasiática e indiana, que se desloca sobre a primeira a um ritmo de 2 a 2,5 centímetros por ano.

 

Na última década, dois grandes terremotos foram associados à pressão da placa indiana: um na região ocidental de Gujarat, no ano 2001, e outro que causou cerca de 75 mil mortes na Caxemira.

 
Mais conteúdo sobre:
Terremoto Himaláia Índia vítimas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.