Sobe para 9 os mortos pelo terremoto do sudeste da Espanha

Mulher de 41 anos estava internada em UTI de Múrcia; dezenas de pessoas ficaram feridas

Efe

12 de maio de 2011 | 10h05

Arte/estadão.com.br

MÚRCIA - O número de mortos pelo terremoto que atingiu na quarta-feira, 11, a localidade de Lorca (sudeste da Espanha) subiu para nove, após o falecimento nesta quinta-feira, 12, de uma mulher que estava ferida.

A mulher de 41 anos estava internada na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Arrixaca, em Múrcia. Fontes do hospital confirmaram à Agência Efe sua morte.

O terremoto deixou ainda dezenas de feridos e durante a noite 260 pessoas foram atendidas pelos serviços médicos.

Um terremoto de 5,1 graus de magnitude na escala aberta Richter atingiu na quarta-feira Lorca, duas horas após outro tremor de 4,4 graus, e causou importantes danos materiais, tanto em casas como em prédios históricos, o que obrigou milhares de pessoas a passar a noite nas ruas.

Tanto o tremor, que teve seu epicentro a cerca de sete quilômetros de Lorca e foi sentido em quase todo o território regional e em províncias limítrofes, como o prévio de 4,4 graus tiveram profundidade de 10 quilômetros.

Cerca de 80% das casas da cidade foram danificadas pelos tremores, informou nesta quarta-feira o presidente regional de Múrcia, Ramón Luis Valcárcel que visitou a área afetada.

Fontes da Prefeitura indicaram à Efe que "praticamente todas" as aproximadamente 20 mil casas no centro urbano de Lorca, cidade de 92 mil habitantes, sofreram algum tipo de dano.

A zona mais afetada pelos tremores foi o centro histórico da cidade e os danos afetam alguns dos prédios mais emblemáticos como o castelo e várias igrejas.

Lorca é uma cidade pertencente à região mediterrânea de Múrcia, na qual vivem 18 mil estrangeiros, muitos deles de origem latino-americana que trabalham no campo.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
terremotoEspanhamortosLorcaMúrcia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.