Sobe para 90 o número de reféns mortos em Moscou

Subiu para 90 o número de reféns mortos em conseqüência da tomada do teatro Drubovska, no antigo Palácio da Cultura de Moscou, por forças de segurança da Rússia, informou o Ministério da Saúde. O número se elevou devido a morte de feridos em hospitais.Os soldados de elite russos tomaram o controle do teatro durante a madrugada, em Moscou, matando o líder do comando checheno que mantinha 700 reféns no edifício desde quarta-feira e libertando a maior parte dos reféns.Sessenta e sete dos reféns morreram na operação, declarou o vice-ministro do Interior, Vladimir Vassiliev. Vassiliev negou que os reféns tenham sido mortos durante a invasão das forças especiais russas, mas sim pelos rebeldes, que teriam cumprido suas ameaças. ?Salvamos mais de 750 pessoas e perdemos 67?, afirmou o vice-ministro. Cerca de 300 dos reféns estão hospitalizados, muitos estão em estado grave. Alguns deles sofreram paradas cardíacas em conseqüência do gás utilizado pelas tropas russas na operação de invasão do prédio. Um diplomata australiano informou também que não há estrangeiros entre os mortos.Quarenta e dois rebeldes do comando checheno morreram na invasão. Entre os mortos, há 18 mulheres com explosivos atados ao corpo, segundo o ministério do Interior Russo, citado pela agência russa Interfax.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.