Sobe para sete o número de mortos na Arábia Saudita

Mais um australiano foi confirmado entre as vítimas do ataque feito neste sábado a um escritório da petroquímica americana Exxon Mobil e da companhia saudita SABIC em Yanbu, no noroeste da Arábia Saudita. Pelo menos sete pessoas foram mortas quando um grupo armado invadiu o prédio e começou a atirar em todas as direções. Dois americanos, dois britânicos, dois australianos e um guarda saudita morreram enquanto várias pessoas de diferentes nacionalidades ficaram feridas, entre elas dois americanos, dois canadenses e um capitão saudita cujo estado é grave, segundo um diplomata. Os atiradores fugiram e passaram a ser caçados por policiais pela cidade. A caçada culminou com um tiroteio na frente do hotel Hoiday Innl, segundo testemunhas. O Ministério do Interior informou que três atacantes foram mortos e um detido, mas não deu detalhes sobre qual grupo estaria por trás do tiroteio. O país tem sido alvo de atentados de radicais islâmicos da rede Al-Qaeda. "Quatro indivíduos entraram nos escritórios de uma empreiteira saudita e começaram a atirar indiscriminadamente contra um saudita e empregados estrangeiros", assinalou um comunicado do ministério. Os atiradores fugiram em direção de uma área residencial de Yanbu e se apoderaram de alguns carros. Nesse momento as forças de segurança mataram três atacantes e feriram um outro, que foi detido, segundo o ministério. Yanbu fica à beira do Mar Vermelho, cerca de 900 quilômetros a oeste da capital, Riad. Pelo seu porto são exportados mais de 400 mil barris de petróleo por dia. A Arábia Saudita tem um amplo contingente de trabalhadores estrangeiros - cerca de 7 milhões - empregados no setor petrolífero, em obras e serviços em geral, entre eles 30.000 americanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.