Sobrenome Bush ganha na estreia pela 1ª vez

Herdeiro do clã Bush obtém cargo no TexasSobrinho e neto de presidentes, filho de Jeb rompe 'maldição' e torna-se o primeiro da família a vencer logo na estreia em uma campanha eleitoral

VICTORIA, EUA , O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2014 | 02h00

George Prescott Bush é filho mais velho do governador da Flórida, Jeb Bush, e de sua mulher, nascida no México, Columba. É neto do ex-presidente George H. W. Bush e sobrinho do ex-presidente George W. Bush. Ontem, ele conseguiu se eleger comissário de Terras Públicas do Texas e quebrar uma superstição familiar, que remonta ao seu bisavô Prescott, financista e senador de Connecticut, no século passado. Nenhum membro da família Bush havia vencido na primeira candidatura a um cargo.

Para conquistar um obscuro cargo estadual por maioria esmagadora, George P. Bush batalhou muito. No mês passado, ele, que pela primeira vez disputou um cargo público, aos 38 anos, fez uma viagem pelo Texas num grande ônibus vermelho e branco estampado com seu nome dinástico e seu rosto de astro de cinema.

Ele percorreu duas dezenas de condados, com 54 paradas e 22 visitas a câmpus universitários. Foram pouco mais de 24 mil quilômetros percorridos.

Ele também representa a oportunidade de renovar a imagem da família. O nome continua respeitado pelos republicanos da velha-guarda do Texas, mas representa tudo o que a facção do Tea Party considera errado no partido. E também está um pouco desgastado depois de duas presidências atribuladas, embora haja a perspectiva de o pai dele se candidatar em 2016 à presidência.

"Essa eleição é a estreia de George P. Bush na política do Texas", disse Mark P. Jones, diretor do Departamento de Ciências Políticas da Rice University. "Ele acha que está oferecendo uma ponte para o futuro do Partido Republicano."

Com as facções do partido em guerra, George P. Bush encontrou um lugar em ambos os campos. Ele tem o DNA do establishment, mas foi um dos primeiros a apoiar Ted Cruz nas primárias do Partido Republicano para escolha de candidatos ao Senado, em 2012, época em que quase ninguém acreditava que o favorito do Tea Party tinha chance.

"O Partido Republicano do Texas, sob muitos aspectos, é como o partido nacional", disse Bush, em uma entrevista. "Temos diferentes componentes que nos fortalecem de maneiras diferentes, seja o Tea Party, nas questões fiscais, ou o chamado establishment que está concentrado em questões de desenvolvimento econômico para fazer o Texas avançar. E temos os conservadores sociais. Recebi endossos tanto do Tea Party como dos moderados. Isso é algo extraordinário e de que me orgulho."

Durante anos, a pergunta era quando - e não se - ele faria jus às tradições da família. Ao longo dos anos, o jovem Bush aprimorou seu currículo. Formou-se pela Rice University. Durante um ano, lecionou história num ginásio para crianças em situação de risco na Flórida. Cursou direito na Universidade do Texas, trabalhou durante um período num dos maiores escritórios de advocacia do Estado e foi cofundador de uma empresa de private equity em Austin e de uma companhia de investimento em gás e petróleo em Fort Worth.

Correram rumores de que ele se candidataria ao cargo de secretário da Justiça do Estado ou até ao de governador, mas o jovem preferiu a função de comissário de Terras - um cargo discreto com deveres que poucos texanos conseguem nomear. "Isso torna a disputa mais acirrada", disse seu oponente, o democrata John Cook, ao saber que o enfrentaria na disputa. / THE WASHINGTON POST

Mais conteúdo sobre:
Eleição nos EUABush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.