Sobrevivente do massacre da Virginia escapou de Columbine

Em uma situação em que fica difícil definir se foi muita sorte ou muito azar, a garota Regina Rohde, de 23 anos, presenciou dois dos mais terríveis massacres em instituições de ensino americanas, em Columbine e na Virginia, e sobreviveu para contar a história.Há exatamente oito anos, ela estava sentada na lanchonete de sua escola quando Dylan Klebold e Eric Harris começaram seu massacre sangrento. Mais tarde, ela contou a repórteres como foi o terror que sentiu ao correr para salvar sua vida. Na Virginia Tech, ela não esteve na cena dos disparos, mas o impacto de ter estado tão perto de uma situação semelhante era visível em seu rosto.Dessa vez, o número de vítimas é mais que o dobro de Columbine, e Regina, em entrevista à NBC, fez questão de assistir à todos os vídeos que Cho Seung-hui, o autor do massacre ocorrido nesta semana, enviou à emissora."Vai levar tempo", disse ela. "Foram muitas das mesmas reações. ´O que estava acontecendo´? ´Quem está ferido´? ´Pra onde vamos´? - O mesmo tipo de questão que fizemos a nós mesmos (em Columbine)", disse ela.A garota demorou para fazer uma conexão entre suas duas experiências. "Por alguma razão, eu não fui de volta àquele dia oito anos atrás até um pouco mais tarde", disse ela.Ela sente muito a pressão da mídia, e acha que jornalistas não devem estar sempre presentes o tempo todo. Toda vez que 20 ou 30 estudantes se juntam, câmeras estão no local para registrar, disse. "Eu não sinto que nós temos hora e lugar que precisamos para ser uma comunidade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.