Crocchioni/ANSA via AP
Crocchioni/ANSA via AP

Sobrevivente do terremoto no centro da Itália viu três amigos morrerem

Francesco Morelli conta que estava passeando com os colegas quando ouviu um estrondo e viu pessoas ‘correndo por todos os lados’

O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2016 | 10h52

ARQUATA DEL TRONTO, ITÁLIA - Francesco Morelli, de 17 anos, é um dos sobreviventes do terremoto que devastou sua cidade, Pescara del Tronto, na região central da Itália, e contou emocionado como foi a sensação de ver a morte de seus três amigos na tragédia que atingiu o local na madrugada de quarta-feira.

Morelli vive em Roma, mas como muitas outras pessoas, passa o verão com seus avós no município, localizado em uma região montanhosa do centro italiano. Tratava-se de um local tranquilo até o momento em que a cidade foi reduzida a escombros por um terremoto de 6,2 graus de magnitude.

O jovem, agora em um acampamento para desabrigados em Arquata del Tronto, lembra a noite do desastre: "Estava passeando com um grupo de amigos quando, de repente, aconteceu um estrondo e nos encontramos rodeados de poeira e pânico".

Uma vez que o pó desapareceu, ele percebeu que três de seus amigos, que tinham ficado mais atrás durante o passeio, estavam mortos sob os escombros.

"Quando a poeira baixou, vi gente correndo por todos os lados e meus três amigos mortos", relatou Morelli, enquanto comia um sanduíche distribuído pelos voluntários que auxiliam os desabrigados.

Ele ainda desconhece de onde tirou a frieza suficiente para enfrentar a situação, mas afirma que rapidamente começou a ajudar as pessoas que estavam presas. "Fui com alguns colegas para resgatar e ajudar outras pessoas dentro das casas, fazer buscas sob os escombros. Havia vazamento de gás e gente morta em todos os lugares. Foi um pesadelo."

Apesar da tragédia, Morelli conseguiu dormir por três horas, interrompidas pela lembrança de sua amiga Arianna, morta no desastre. Ele relata ter sonhado com a jovem e por um momento achou que ela lhe cumprimentava. "Ela que me cumprimentou, pediu ajuda e me desejou boa noite", relembrou o jovem. 

Mulher, marido e filho pulam de sacada para se salvar

A polonesa Ewa Szwajak, que sobreviveu ao terremoto na região central da Itália, disse que jamais esquecerá “o murmúrio das paredes em movimento”. Ela contou a uma emissora de televisão que foi acordada em Amatrice pelos tremores e pelo “barulho horrível”.

Ao levantar correndo da cama, foi junto ao marido pegar seu filho de quatro anos, e os três conseguiram escapar pela varanda. “Sabíamos que era um terremoto”, contou. “Lembrarei os sons pelo resto da minha vida.”

Ewa disse ainda que seus vizinhos, Sergio, Assunta e o neto de 13 anos, não sobreviveram. “A casa da frente desabou. Saltamos da varanda e caímos sobre os escombros. O quarto dos nossos vizinhos não existia mais."

Sobrevivente do tremor de 2009 perde filha de 18 meses em novo sismo

Entre as vítimas do tremor está uma menina de 18 meses cuja mãe sobreviveu ao sismo de 2009, registrado em L’Aquila e que matou mais de 300 pessoas,. Ela havia decidido se mudar da região após a experiência terrível.

A agência de notícias Ansa reportou que a criança, Marisol Piermarini, estava dormindo quando o terremoto atingiu a região de Arquata del Tronto.

A mãe, Martina Turco, sobreviveu novamente ao desastre, mas está recebendo tratamento em um hospital em razão dos ferimentos sofridos. Ela havia ficado presa embaixo dos escombros. / EFE, Reuters e Associated Press

Mais conteúdo sobre:
Terremoto Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.