Joseph Empey/Chad Wells via AP
Joseph Empey/Chad Wells via AP

Sobrevivente dos atentados em Bruxelas estava na Maratona de Boston em 2013

Jovem sobreviveu ao ataque provocado pelos irmãos Tsarnaev, e saiu com alguns ferimentos do aeroporto na Bélgica onde ocorreram explosões provocadas por membros do Estado Islâmico

O Estado de S. Paulo

23 de março de 2016 | 16h35

BRUXELAS - O jovem Mason Wells, de 19 anos, é de Utah, nos EUA, e um dos sobreviventes dos atentados terroristas realizados na Bélgica na terça-feira. Membro da comunidade mórmon, ele estava no aeroporto de Zaventem, em Bruxelas, no momento das explosões, mas conseguiu sair do local com vida e alguns ferimentos. Ele rompeu o tendão de Aquiles, teve algumas cicatrizes, cortes na cabeça e queimaduras nas pernas, mãos e rosto.

Apesar de estar muito perto da bomba que explodiu, Wells teve muita sorte. E essa não foi a primeira vez que o jovem conseguiu escapar de um atentado. Há três anos, ele e seu pai sentiram o chão tremer quando uma bomba colocada em uma panela de pressão explodiu a um quarteirão de onde estava.

Era abril de 2013 e ele assistia sua mãe correr na Maratona de Boston, cenário de um dos atentados sofridos pelos EUA, cometidos pelos irmãos Dzhokhar e Tamerlan Tsarnaev na linha de chegada.

“Esperamos que ele continue com essa sorte ao longo da vida”, disse Chad Wells sobre seu filho mais velho. “Acredito que esses episódios fizeram dele uma pessoa mais forte. Talvez a experiência da Maratona de Boston aconteceu para ajudá-lo a passar por essa outra (na Bélgica).”

O pai de Wells contou que está “completamente em choque com as notícias”. “Estamos muito gratos que ele tenha sobrevivido a essa experiência.”

A agência de notícias France-Presse informou ainda que Mason Wells estava em Paris quando o grupo Estado Islâmico realizou uma série de ataques terroristas em restaurantes, bares, em uma casa de shows e nos arredores do Stade de France.

Os atentados no aeroporto e em uma estação de trem em Bruxelas deixaram, até o momento, 31 mortos e 260 feridos. /AFP e ASSOCIATED PRESS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.