Sobrevivente equatoriano endividou-se para viajar

Após completar 18 anos, há um mês, Pomavilla fez dívida de US$ 11 mil com coiote e deixou o vilarejo pobre onde vivia

AP, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2010 | 00h00

CIDADE DO MÉXICO

Segundo o jornal mexicano El Universal, o equatoriano Luis Freddy Pomavilla, de 18 anos, único sobrevivente do massacre em Tamaulipas, fez uma dívida de US$ 11 mil com um "coiote" para tentar cruzar a fronteira com os EUA.

A história de Pomavilla é uma tragédia latino-americana. Mal chegou à maioridade, tirou seu passaporte já decidido a viajar. Há um mês, poucos dias após completar 18 anos, deixou sua terra natal em Ger, pequena comunidade agrícola no sul do Equador, sem esgoto nem água potável.

Ao todo, o vilarejo tem cerca de cem casas, a maioria de tijolo, erguidas com dinheiro enviado dos EUA. A da família Pomavilla, porém, é uma das mais simples, de apenas um quarto, toda feita de adobe.

O primeiro filho de Luís morreu aos 6 meses de idade. Decidido a mudar de vida, ele partiu deixando a mulher grávida de quatro meses, que ficou à espera do dinheiro que seria enviado pelo marido. Até ontem, segundo familiares, ela não havia sido informada do caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.