Eugene Hoshiko/AP
Eugene Hoshiko/AP

Sobreviventes da bomba atômica no Japão criticam retomada de energia nuclear

Depois do tsunami que atingiu a usina de Fukushima, muitos temem que novos incidentes ocorram

O Estado de S. Paulo

04 de agosto de 2015 | 20h56

FUKUSHIMA, JAPÃO - Quando Atsushi Hoshino buscou reavivar há 30 anos um grupo que representava sobreviventes da bomba atômica na área rural japonesa de Fukushima, no nordeste do Japão, um tópico ainda era tabu: criticar a indústria de energia nuclear que empregava muitas pessoas.

Isso mudou dramaticamente após 11 de março de 2011, quando um grande tsunami devastou a usina nuclear de Fukushima Daiichi, provocando derretimento de núcleos, espalhando radiação e forçando dezenas de milhares de moradores a deixar suas casas.

"Até então eu me sentia de alguma forma desconfortável sobre energia nuclear, mas não o suficiente para me opor a ela. Na verdade, eu estava em uma situação onde não era possível me opor a ela", disse Hoshino, de 87 anos, à Reuters, em sua casa na Cidade de Fukushima, a cerca de 60 quilômetros de Fukushima Daiichi, a primeira usina nuclear comercial do país quando tornou-se operacional em 1971.

Agora, Hoshino, um sobrevivente da tragédia de 6 de agosto de 1945, dia do ataque americano com uma bomba atômica contra  a cidade de Hiroshima, está entre a maioria dos japoneses que se opõe ao plano do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, de reativar os reatores desligados após o desastre de 2011.

A usina de Sendai, da Kyushu Electric Power, no sudoeste do Japão, deve voltar a operar no dia 10 pela primeira vez em quase dois anos.

"Acredito que, por conta do risco da energia nuclear e o fato de que seres humanos não a podem controlar ter se tornado claro, nenhum dos reatores deveria ser religado", afirmou Hoshino.

O presidente do grupo de sobreviventes da bomba atômica em Fukushima, Akira Yamada, disse ter chegado a uma conclusão semelhante. Mesmo assim, ambos estão receosos de comparar os riscos da energia nuclear com o horror de armas atômicas.

"Há uma diferença entre o uso militar e o uso pacífico", disse Yamada, que, assim como Hoshino, tornou-se professor na universidade de Fukushima após a guerra.

Setenta anos após os bombardeios de Hiroshima e Nagasaki, as experiências dos sobreviventes idosos permanecem em suas memórias.

Hoshino eram um estudante do ensino médio quando um avião americano lançou uma bomba atômica sobre Hiroshima, matando cerca de 140 mil pessoas até o fim do ano. Três dias depois, uma segunda bomba nuclear foi lançada sobre Nagasaki. Em 15 de agosto, o Japão se rendeu. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.