Sobreviventes de Hiroshima protestam contra exibição do avião

Sobreviventes da primeira bomba atômica despejada pelos Estados Unidos viajaram a Washington nesta quinta-feira para protestar contra uma exibição do avião Enola Gay, que jogou o artefato nuclear sobre a cidade japonesa de Hiroshima no fim da Segunda Guerra Mundial. Representantes de dois grupos - Confederação Japonesa das Organizações de Vítimas das Bombas A e H e a Confederação Estadual de Hiroshima de Sobreviventes da Bomba Atômica - anunciaram que protestarão e entregarão petições ao Instituto Smithsonian para que exponha números e fotografias da destruição causada pelo Enola Gay. A exposição começará na segunda-feira. "Nós queremos contar o que houve em Hiroshima e mostrar a verdade de nosso sofrimento", disse Sunao Tsuboi, líder de uma comissão de três pessoas provenientes de Hiroshima. Tsuboi disse que entregaria uma mensagem do prefeito de Hiroshima, Tadatoshi Akiba, à diretoria do museu. De acordo com um funcionário da Confederação Japonesa, quatro sobreviventes da explosão fazem parte da comitiva. O Enola Gay, um bombardeiro B-29, está entre dezenas de aviões e espaçonaves reunidos para uma exposição em um enorme museu em forma de hangar. De acordo com o museu Stephen F. Udvar-Hazy, ligado ao Instituto Smithsonian, a exposição "não glorificará nem criminalizará a importância histórica dessas aeronaves". O cartaz explicativo que será posicionado ao lado do Enola Gay "dirá aos visitantes qual é o objeto e quais os fatos básicos de sua história", inclusive as missões das quais participou. O Enola Gay despejou uma bomba atômica sobre Hiroshima na manhã de 6 de agosto de 1945, matando ou ferindo pelo menos 160.000 pessoas. Hiroshima localiza-se 690 quilômetros a sudoeste de Tóquio. O piloto americano, coronel Paul Tibbets, batizou o avião em homenagem à mãe. Três dias depois, outro avião americano despejou uma bomba de atômica sobre Nagasáki, no sul do Japão, matando cerca de 70.000 pessoas. O Japão assinou sua rendição em 15 de agosto de 1945, encerrando a Segunda Guerra Mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.