Sobreviventes do Holocausto lembram fim de gueto de Cracóvia

Centenas de judeus lembraramneste domingo o 65o aniversário da destruição do gueto deCracóvia com uma passeata comemorando o empresário alemão cujosesforços salvaram judeus do Holocausto. Cerca de 700 judeus da Polônia, Israel e outros paísesparticiparam da marcha no percurso do local onde ficava o guetoaté onde se localizava um campo de concentração no subúrbio dePlaszóvia, do qual muitos prisioneiros foram contratados porOskar Schindler. "Schindler era polêmico, talvez até um pouco louco, mas foium dos únicos alemães que fizeram tal coisa", afirmou JanDresner, 86, que é de Tel Aviv. Ele foi uma das 30 pessoaspresentes na passeata que foram salvas pelo empresário. "Esta é a minha primeira viagem à Cracóvia desde então,pois eu tinha medo dessas memórias. Mas eu senti que era minhaobrigação vir com a minha esposa e filha para falar sobreisso", acrescentou. Schindler, que ficou famoso pelo filme "A Lista deSchindler", dirigido por Steven Spielberg em 1993, usou suainfluência com seus amigos nazistas, propinas e documentosfalsificados para salvar mais de mil judeus poloneses. Após os alemães terem decidido matar os moradores do guetoem março de 1943, atirando naqueles que ainda resistiam nolocal, eles levaram os sobreviventes para o campo de Plaszóvia. "Eu vi o gueto sendo dizimado. Eu vi centenas de corposespalhados por todos os lados. Foi um cataclismo total",afirmou o norte-americano Edward Mosberg, que já ultrapassou abarreira dos 80 anos. Niusia Horowitz-Karakulska, da Cracóvia, tinha apenas seteanos quando todo o gueto foi exterminado, mas ela e 15 membrosde sua família devem sua sobrevivência ao empresário alemão. "Schindler era uma pessoa amorosa e magnífica que tinhamuitos problemas, mas sentiu que vidas humanas deveriam sersalvas", relatou ela à Reuters. Karakulska tem hoje 72 anos deidade. A Polônia, que foi invadida pela Alemanha nazista e pelaRússia no começo da Segunda Guerra Mundial, em setembro de1939, perdeu seis milhões de cidadãos na guerra, metade delesjudeus. Até 1,5 milhão de pessoas morreram no famoso campo deextermínio nazista de Auschwitz, localizado cerca de 40quilômetros a oeste de Cracóvia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.