Sobrinhos-netos de Hitler prometem não ter filhos

A história de três sobrinhos-netos de Adolf Hitler que vivem em Nova York veio à luz graças a um documentário que revela o pacto feito por eles de não terem filhos para não perpetuarem a estirpe do "monstro" do Holocausto. Alexander, de 52 anos, assistente social, Louis, de 50 eBrain, de 30 - ambos jardineiros - vivem com outra identidade em modestas casas às portas de Nova York. Durante anos eles se esforçaram para esconder seuparentesco com Hitler, mas um documentário do jornalista inglês David Gardner, que vive em Los Angeles, tirou-os do anonimato. Em "Os Últimos Hitler", o jornalista conta a históriados três irmãos e do estranho pacto de sangue que fizeram,conscientes do peso que levam em suas costas, de não se casarem nem terem filhos. O filme foi baseado no livro de Gardner. "Foi uma longaviagem iniciada em 1995 com poucos e velhos recortes daimprensa", contou o jornalista à cadeia CNN. "Eu tabalhava numa assessoria de imprensa em Nova Yorke me pediram para rastrear (o paradeiro de) William PatrickHitler, o sobrinho do Führer", lembrou. Os recortes eram da época imediatamente posterior àSegunda Guerra mundial e Gardner começou a procurar William Patrick na lista telefônica - onde, naturalmente, ele não figurava. "Precisei de quatro anos para recompor a história", disse Gardner. O sobrinho de Hitler na realidade havia morrido em 1987,aos 76 anos, mas sua viúva - ainda viva - confirmou o parentescoe contou os últimos detalhes da história. William, filho de Alois, um meio-irmão mais velho deHitler, e de uma camponesa irlandesa chamada Brigid Dowling, nasceu em Liverpool em 1911. O Hitler inglês precisou começar a trabalhar cedo - jáque seu pai os abandonou para regressar à Alemanha -, e deixou a Europa em 1939 em busca de asilo nos EUA. Protegido e vigiado pelo FBI, William Patrick Hitlervestiu o uniforme da Marinha americana, em cujas fileiras lutou e conquistou honras em 1944. Ao terminar a Segunda Guerra, registrou sua identidadecom outro sobrenome e se refugiou ao lado da mãe, indo viver primeiro no Harlem e, logo em seguida, em Long Island, às portas de Nova York. O homem se casou e teve quatro filhos. Em sua sepultura não há nenhuma inscrição. Três de seus quatro filhos (o quarto morreu nos anos80) foram encontrados por Gardner em Long Island. "Pareciam-se vagamente com o Führer, mas não podiamestar mais distantes dele. Nasceram nos EUA. Vivem em uma pequena cidade nos subúrbios. Para todos os efeitos, sãoamericanos", enfatizou Gardner.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.