Socorristas chegam ao local onde estão soterrados mineradores no Equador

Quatro trabalhadores ficaram presos a cerca de 150 metros de profundidade em uma mina na fronteira com o Peru

Efe

20 de outubro de 2010 | 03h33

QUITO - Uma equipe de emergência chegou na terça-feira, 19, ao local do desmoronamento ocorrido no interior de uma mina no sul do Equador onde dois trabalhadores permanecem soterrados desde sexta-feira, mas o resgate se viu dificultado por novos escombros.

O subsecretário de Minas do Equador, Jorge Espinosa, disse que a remoção dos escombros na mina chegou ao local onde aconteceu o desmoronamento, mas que ainda há obstáculos para chegar ao nível onde podem estar os dois mineradores.

Na madrugada de sexta-feira passada, quatro mineradores ficaram soterrados a cerca de 150 metros de profundidade em uma mina no setor de Portovelo, na província de El Oro, na fronteira com o Peru.

No sábado, os socorristas encontraram dois corpos em um nível inferior da mina e continuaram o resgate para chegar a outro nível superior, onde poderiam estar os outros dois mineradores, talvez ainda vivos.

As autoridades equatorianas ainda mantêm esperanças de encontrar com vida os dois, pois o nível onde se presume que estejam possui água e oxigênio.

Segundo Espinosa, a retirada de escombros chegou ao local do acidente, após seguir uma trajetória horizontal. Ele afirmou, no entanto, que agora se requer uma ação vertical para chegar à área onde podem estar os trabalhadores.

Os trabalhos de resgate, feitos pelos próprios mineradores da região, transformados em socorristas de seus colegas, avança de forma lenta, já que "o mais importante é proteger" aqueles que executam a tarefa, ressaltou o subsecretário.

Ele explicou que a alta umidade, o calor interno e a fragilidade do terreno fazem com que o trabalho continue lento, apesar da "atitude valente dos mineradores que tentam chegar onde seus companheiros" podem estar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.