Socorro da Europa a sírios chega a 1,2 bi

Ocidente e grupo Amigos da Síria ampliam ajuda financeira e militar contra regime de Bashar Assad

ANDREI NETTO, CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2013 | 02h12

Uma semana depois do fracasso do diálogo entre os governos do G-7 e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, na cúpula do G-8 em Lough Erne, na Irlanda do Norte, a União Europeia anunciou que reforçará sua ajuda humanitária à Síria, que assim chegará a € 1,25 bilhão.

O anúncio ocorre um dia depois de os Amigos da Síria, grupo formado por EUA, França, Grã-Bretanha e Liga Árabe, terem anunciado em Doha, no Catar, que enviarão "ajuda urgente em material e em equipamentos" que permitam aos rebeldes enfrentar "ataques brutais do regime".

O reforço da ajuda humanitária foi anunciado pelo presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, que desbloqueou € 400 milhões para cobrir gastos com ajuda humanitária e econômica no norte da Síria e regiões liberadas do país, bem como nos campos de refugiados na Turquia, na Jordânia e no Líbano. Com isso, o total de recursos disponíveis chegará a € 1,25 bilhão, valor usado para garantir o abastecimento de 1,6 milhão de sírios deslocados pela guerra civil. "Trata-se da pior situação das últimas décadas", advertiu Barroso.

Apesar do consenso em torno da ajuda humanitária, os governos nacionais da União Europeia seguem divididos no que diz respeito à conferência Genebra II, que pode vir a ser realizada em julho, sob a liderança dos EUA e da Rússia. O ponto de desacordo é a participação ou não do Irã nas negociações - a França é contrária. Além disso, a UE continua dividida quanto ao fornecimento de armas aos rebeldes.

Mesmo diante da resistência de governos como o da chanceler Angela Merkel, da Alemanha, França e Grã-Bretanha vêm atuando nos bastidores para armar os rebeldes sírios, agora com o apoio dos EUA. No final de semana, o grupo de países Amigos da Síria, reunido em Doha, no Catar, confirmou que vai reforçar a ajuda militar que será usada pelo Alto Conselho Militar Sírio, ligado ao Exército Sírio Livre (ESL), maior grupo armado de oposição.

Mesmo sem confirmar de forma explícita a decisão de armar os rebeldes, o secretário de Estado americano, John Kerry, reiterou que a resposta militar contra o apoio russo ao ditador Bashar Assad está na ordem do dia. "A Rússia arma a Síria. Por consequência, mesmo se a Rússia pretende aspirar a uma solução política, ele permite a Assad unir esforços com os iranianos e o Hezbollah para conduzir uma guerra mais intensiva contra seu próprio povo", disse Kerry.

Em Paris e Londres, diplomatas alegam que, diante da posição ofensiva da Rússia em favor de Assad, só o reequilíbrio da luta armada no interior da Síria pode fazer com que os rebeldes ainda tenham poder de barganha na conferência de Genebra II, que buscaria uma solução pacífica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.