Soha Arafat diz que paz com Israel agora é inviável

Em meio a uma série de ríspidos comentários, a mulher do líder palestino Yasser Arafat disse odiar Israel, opor-se à normalização das relações com os israelenses e acreditar que a paz no Oriente Médio é inviável no momento. Soha Arafat, que raramente faz declarações em público, disse, em entrevista à revista feminina saudita Sayidaty, que tem evitado contatos com delegações isralenses que representam instituições sociais desde que os israelenses se tornaram "responsáveis pelos problemas que nossas crianças enfrentam". "Eu sempre rejeitei a normalização das relações com as mulheres (israelenses)", afirmou Soha à revista. "Elas sempre me convidam para seus eventos, e eu recuso categoricamente porque eu odeio Israel". Em meio à atual espiral de conflitos sangrentos, ela também declarou que "a paz com eles (os israelenses) é uma mentira". "Eu sempre tive a íntima convicção de que isto não aconteceria", ela acrescentou. "Por isso mesmo, rejeitei qualquer proposta de cooperação." A mulher de Arafat passa a maior parte do tempo em Paris com sua irmã, Zahwa, e disse temer que ambas estejam sendo espionadas pelos israelenses. Ela disse que projéteis israelenses atingiram a residência de Arafat na Cidade de Gaza durante um recente ataque de helicópteros israelenses, num momento em que a família não estava presente. As janelas da residência foram destruídas. "Eu sei que minha irmã e eu somos um alvo político", disse Soha, que se converteu do cristianismo para o islamismo ao se casar com o líder palestino. "Por essa razão vivo mudando de um lugar para o outro. Mas não tenho medo". Soha também disse que evita a imprensa "porque quando você se expõe à mídia pode sair queimada".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.