Solana retoma contatos com Larijani sobre programa nuclear

O chefe da diplomacia européia, Javier Solana, renovou as ofertas feitas ao Irã após as novas sanções impostas pela ONU pela recusa do país a suspender o enriquecimento de urânio.Em conversa telefônica de praticamente uma hora com o negociador iraniano em matéria nuclear, Ali Larijani, Solana disse que a comunidade internacional estava interessada em "renovar (...) as negociações e resolver de maneira substancial" as diferenças que separam os dois lados, segundo a porta-voz de Solano, Cristina Gallach."Larijani estava muito descontente com as resoluções (da ONU)", disse ela à Associated Press. "Ao mesmo tempo, ele aceitou o convite para contatos futuros (...) e indicou que gostaria de conversar novamente nos próximos dias, sem determinar uma data". Solana e Larijani têm sido os principais negociadores nos tópicos relacionados ao programa iraniano. A UE está determinada em continuar os diálogos com o Irã, gradualmente impondo sanções mais duras se o país se recusar a suspender o programa nuclear.Os seis países emitiram uma declaração depois das novas sanções aprovadas por unanimidade pelo Conselho de Segurança da ONU contraTeerã, na qual afirmaram que a "porta segue aberta" às negociações.A comunidade internacional mantém a oferta feita ao Irã em junho, que inclui tecnologia nuclear de ponta para uso civil, um reator de água leve, assim como vantagens econômicas e garantias de segurança regional em troca da suspensão das atividades de enriquecimento de urânio.Solana já havia sido o encarregado de negociar com os iranianos no ano passado.O Irã, no entanto, se mostrou desafiador e anunciou uma suspensãoparcial de sua cooperação com a Agência Internacional de EnergiaAtômica.A situação também não se vê favorecida pela detenção, na sexta-feira, de 15 militares britânicos que Teerã acusa de terem entrado em águas territoriais iranianas quando patrulhavam as águas do Golfo, embora um alto funcionário da UE tenha dito hoje que os dois temas não estão relacionados.O subsecretário de Estado americano para Assuntos Políticos, Nicholas Burns, qualificou hoje a votação do sábado no Conselho de Segurança da ONU como "um repúdio dramático ao Governo iraniano" e ressaltou que "destacados membros da Liga Árabe e do Movimento dos Não-Alinhados votaram contra o Irã"."Os iranianos devem compreender que não governam o mundo",assinalou Burns, que afirmou que "os únicos amigos" com os quais opaís conta são "Sudão, Belarus, Síria, Venezuela e Cuba".Burns disse que os EUA "têm uma grande confiança em Javier Solana" e lembrou que seu país não mantém relações com o Irã desde 1979."Javier Solana será a pessoa chave, e esperamos que os iranianosentendam que é alguém com quem podem tratar", indicou Burns, antesde assinalar que "a oferta (aos iranianos) está mantida, mas tambémas condições".Segundo o diplomata americano, essas condições são as mesmas de junho, ou seja, uma suspensão temporária das atividades nucleares doIrã em troca da suspensão temporária das sanções."Se um país está comprometido com a via diplomática deve ser paciente", acrescentou. "Queremos esgotar a diplomacia antes de considerar outras medidas", ressaltou.Os EUA e seus aliados ocidentais consideram que as atividades nucleares do Irã estão dirigidas à fabricação da bomba atômica, enquanto Teerã insiste em que seu propósito é pacífico, para a geração de eletricidade.Atualizado às 17h28.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.