Soldado abre fogo contra jornalista na Cisjordânia

Um soldado israelense na Cisjordânia abriu fogo contra um táxi que transportava um proeminentejornalista de Israel que afirmou hoje que o tiro foi efetuado sem advertência. O Exército anunciou que o soldado e um oficial serão julgados pelo incidente.O incidente ocorreu na manhã de domingo na cidade de Tulkarem, quando o táxi, com placas israelenses, se aproximou de um posto militar. Disparos atingiram o pára-brisas à prova de balas do táxi blindado. Gideon Levy, correspondente do diário Haaretz, um fotógrafo e um representante da organização Médicos pelos Direitos Humanos estavam no veículo. Ninguém ficou ferido.Levy, que escreve histórias semanais sobre a vida dos palestinos comuns, disse que o incidente não é incomum. "O que ocorreu... acontece todos os dias nos territórios ocupados", denunciou Levy. "A única diferença é que desta vez aconteceu com um judeu israelense que é jornalista".Muitos palestinos já foram mortos ou feridos em disparos em bloqueios rodoviários nos últimos dois anos de confrontos. O Exército nega denúncias de palestinos de que soldados não vacilam em atirar sem justificativa contra veículos que considerem suspeitos.Levy disse que a visita do grupo a Tulkarem, que está sob estrito toque de recolher, havia sido combinada com antecedência com o Exército israelense. O táxi teve de esperar duas horas no bloqueio enquanto soldados confirmavam que ele tinha permissão para seguir.Quando o táxi entrou na cidade, ele trafegou com liberdade até deparar-se com um blindado de transporte de tropas, relatou Levy. Oficiais ordenaram que o táxi desviasse para um posto doExército nas proximidades. Indo devagar, o táxi se aproximou do posto quando repentinamente um soldado no posto abriu fogo. "Não houve aviso... apenas dispararam para matar", disseLevy.Segundo o Haaretz, o soldado testemunhou que havia atirado primeiro para o alto, depois nos pneus para só então mirar o pára-brisas. As Forças de Defesa de Israel anunciaram que houve uma faltade coordenação entre várias posições na área e o soldado cometeu um erro de julgamento. O soldado e um oficial serão julgados, acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.