AP
AP

Soldado acusado de matar 16 afegãos é levado aos EUA

Advogado do acusado disse que combinação de álcool e stress pode ter levado aos assassinatos

AE, Agência Estado

16 de março de 2012 | 15h33

SEATTLE - O soldado norte-americano acusado de matar 16 civis afegãos deverá ser conduzido a uma prisão militar nos Estados Unidos mais tarde nesta sexta-feira, 16, após uma parada no Kuwait do voo militar que o conduz de volta aos EUA, disse um oficial graduado da Defesa. O nome do soldado, um sargento do Exército, continua sob sigilo. O soldado deverá ficar preso em Fort Leavenworth, no Kansas, uma prisão militar de segurança máxima.

Veja também:

tabela ESPECIAL: Dez anos de guerra no Afeganistão

Funcionários da Defesa dos EUA disseram que o acusado foi retirado do Afeganistão porque não existem condições de segurança de mantê-lo detido em segurança no país centro asiático.

O advogado do sargento acusado, John Henry Browne, disse que teve que cancelar uma teleconferência com o seu cliente porque ele estava em rota para os EUA. Browne não quis divulgar qual é o nome do seu cliente. Ele disse que o acusado tem dois filhos pequenos, de 3 e 4 anos. O militar é natural do meio-oeste dos EUA, tem 38 anos, é casado e foi para o Afeganistão em dezembro do ano passado, com a 3º Brigada Stryker. Ele serviu no Iraque e foi indicado para a Estrela de Bronze, uma medalha militar dos EUA que é concedida por bravura, mérito, ou serviço meritório, mas ainda não havia recebido a condecoração.

Browne disse que sabe de poucos detalhes da chacina, mas rechaçou relatos de que uma combinação de álcool, stress e problemas domésticos tenham levado o suspeito a cometer os assassinatos em série. Ele disse que a família negou que o sargento seja alcoólatra e descreveu o casamento do militar como "fabuloso". Dos 16 civis afegãos chacinados no domingo passado, nove eram crianças.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.