AP Photo/Caleb Jones
AP Photo/Caleb Jones

Soldado americano é acusado de tentar ajudar Estado Islâmico

Ikaika Kang, de 34 anos, foi preso no sábado depois de ter jurado fidelidade ao líder do EI, Abu Bakr al-Baghdadi, na presença de um agente infiltrado

O Estado de S.Paulo

11 Julho 2017 | 13h25

HONOLULU, EUA - Um soldado americano que serve no Havaí foi preso sob a acusação de ter jurado lealdade ao grupo Estado Islâmico (EI) e de ter tentado fornecer documentos e vídeos de treinamento aos extremistas, informou o FBI nesta terça-feira, 11.

Ikaika Kang, de 34 anos, foi preso no sábado depois de ter jurado fidelidade ao líder do EI, Abu Bakr al-Baghdadi, na presença de um agente infiltrado, de acordo com um documento apresentado pelo FBI à justiça.

"O FBI acredita que Kang era um ator solitário e não estava associado a outras pessoas que representem uma ameaça para o Havaí", declarou a polícia federal na segunda-feira. O comportamento de Kang levantava suspeitas há anos, acrescentou.

"Ele foi repreendido várias vezes por ameaçar ferir ou matar outros membros do serviço e por expor opiniões pró-EI no âmbito do seu trabalho", aponta o comunicado.

"Em virtude destas atitudes e ameaças, a autorização de segurança de Kang foi revogada em 2012, mas lhe foi restituída no ano seguinte após Kang cumprir os requisitos militares derivados da investigação", acrescenta.

Atualmente, Kang trabalhava como operador de tráfego aéreo. Ele serviu um ano no Iraque em 2010-2011 e nove meses no Afeganistão em 2013-2014, de acordo com o Pentágono.

O soldado declarou a um informante confidencial que o homem que matou 49 pessoas na boate Pulse de Orlando no ano passado "fez o que deveria ter feito e, em seguida, disse que os Estados Unidos eram a única organização terrorista do mundo", aponta o documento do FBI.

Kang também afirmou ao informante que "Hitler estava certo, dizendo acreditar no assassinato em massa de judeus." Depois de jurar lealdade ao EI, Kang disse à fonte confidencial que queria matar "um monte de gente".

O militar possuía um fuzil AR-15 e uma pistola calibre .40, e havia recebido intenso treinamento em combate, segundo o FBI.

Kang teria ainda entregue documentos militares a pessoas que deveriam repassá-los ao grupo EI. Também fez vídeos de treinamento para o grupo e ajudou a comprar um drone, que disse que os jihadistas poderiam usar para observar os movimentos de tanques americanos. O soldado foi acusado de fornecer material de apoio ao EI.

O advogado de defesa, Birney Bervar, afirmou à rede News Now que Kang poderia sofrer transtornos mentais relacionados ao seu serviço no Iraque e no Afeganistão e "que o governo estava consciente, mas não lidou com eles." /AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.