Soldado canadense morto em atentado é enterrado em Hamilton

Primeiro-ministro canadense faz discurso emocionado em homenagem a Nathan Cirillo; rainha manda mensagem de pesar

O Estado de S. Paulo

28 de outubro de 2014 | 15h59

HAMILTON, CANADÁ - Mais de 4 mil pessoas acompanharam o cortejo fúnebre de Nathan Cirillo, o soldado canadense que morreu no ataque contra o Parlamento em Ottawa na semana passada, nas ruas de sua cidade natal, Hamilton, na Província de Ontário. Muitas pessoas usavam camisas com as palavras "descanse em paz", enquanto outros acenavam com a bandeira canadense.

O caixão coberto pela bandeira canadense desceu a rua principal da cidade antes de entrar na catedral onde o funeral foi realizado em uma cerimônia privada. Entre os parentes, encontrava-se o filho de Cirillo, Marcus Daniel, de cinco anos. Ele usava um chapéu de seu pai e era carregado nos braços de sua mãe. 

O primeiro-ministro canadense, Stephen Harper, fez um discurso emocionado. "Que o seu jovem filho Marcus Daniel Cirillo algum dia encontre conforto no fato de que todo o nosso país enxergamos o seu pai com orgulho, com gratidão, com profundo respeito", disse."O soldado Nathan Cirillo sabia que os mais preciosos valores são os que podem nos custar as nossas vidas, então, que Deus abençoe o soldado Nathan."

A rainha Elizabeth, que continua sendo a chefe de Estado do Canadá, mandou uma mensagem ao regimento de Cirillo expressando pesar pela morte dele sob circunstâncias "sombrias".

Pai de um menino de cinco anos de idade, Cirillo será enterrado em uma área que homenageia militares em um cemitério Hamilton. 

O secretário de Estado americano, John Kerry, também rendeu homenagens a Cirillo, levando uma coroa de flores ao memorial onde ele foi morto, a poucos metros do Parlamento, pelos disparos de Michael Zehaf-Bibeau, que mais tarde foi morto por forças de segurança. / AP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
CanadáNathanCirillo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.