Soldado dos EUA admite participação em estupro de iraquiana

O soldado americano Paul Cortez admitiu nesta quarta-feira, 21, na Califórnia, ter participado do estupro de uma garota de 14 anos iraquiana e do assassinato de seus familiares em março de 2006. Com a declaração, conseguiu escapar da pena de morte.Cortez confirmou na base de Fort Campbell, Califórnia, que seqüestrou Abeer Qassim al-Janab, jovem iraquiana de 14 anos, em sua casa, em um setor da localidade de Mahmudiya, ao sul de Bagdá, em março de 2006 e juntamente com o militar James Barker, 24, estuprou a jovem iraquiana.O soldado James Barker se declarou culpado em novembro do ano passado e foi condenado a 90 anos de confinamento numa prisão militar.Segundo Cortez, o militar Steven D. Green também participou do crime e matou a tiros o pai, mãe e irmã da garota violentada. Em seguida, matou a garota. Green, acusado de ser o líder do grupo, será submetido a um julgamento civil Sob termos de acordo jurídico, Cortez será sentenciado a passar o resto de sua vida na prisão. No entanto, ainda nesta quinta-feira, 22, a sentença será dada anunciando se o réu terá a possibilidade de brigar por liberdade condicional.Fontes militares explicaram que, aceitando a declaração de culpa, o juiz, coronel Stephen Henley, não poderá condenar o réu à morte. A sentença máxima seria a prisão perpétua. Além disso, Cortez se comprometeu a cooperar com a investigação do incidente.Cortez ainda deve testemunhar contra outros três soldados supostamente envolvidos no caso, segundo a agência de notícias Associated Press.O caso de Mahmudiya foi um de vários incidentes de abusos contra a população civil envolvendo soldados americanos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.