Eduardo Gayer/Estadão-16/02/2022
Eduardo Gayer/Estadão-16/02/2022

'Soldado é simplesmente soldado', diz Bolsonaro após visitar túmulo de comunistas

Presidente participou de cerimônia em homenagem a soldados do então exército soviético mortos durante a Segunda Guerra Mundial

Eduardo Gayer, enviado especial , O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2022 | 04h29

MOSCOU - Após a repercussão de sua visita a um túmulo de combatentes comunistas, o presidente Jair Bolsonaro (PL) tentou justificar, ainda que nas entrelinhas, a homenagem prestada aos militares soviéticos mortos durante a viagem oficial a Moscou. "Soldado é simplesmente soldado", escreveu o presidente no Facebook, junto a um vídeo do evento. 

Ontem, no seu primeiro compromisso oficial da viagem à Rússia, Bolsonaro participou de cerimônia em homenagem a soldados do então exército soviético mortos durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), época em que a Rússia era a comunista União Soviética

Ele fez entrega de flores no monumento conhecido como “túmulo do soldado desconhecido”, construído em memória de combatentes mortos sem identificação durante o confronto com os nazistas. 

Junto aos Estados Unidos, os soldados da União Soviética tiveram papel decisivo para a derrota das tropas alemãs de Adolf Hitler na guerra. 

Na postagem de hoje, Bolsonaro reconheceu que o monumento foi erguido em nome dos soldados soviéticos - mas não citou que à época regime político da atual Rússia era o comunismo. 

"O marco é para lembrar as perdas humanas da URSS durante a Segunda Guerra Mundial", limitou-se a escrever o presidente, abreviando União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. 

A homenagem com referências ao passado comunista da Rússia acontece no momento em que Bolsonaro tenta reciclar o discurso de combate à esquerda e ao comunismo, de olho nas eleições de 2022 

A visita de Bolsonaro ao monumento gerou reação nas redes sociais. Enquanto muitos viram contradição na agenda, após as reiteradas críticas do presidente à esquerda, aliados e simpatizantes do governo defenderam o compromisso oficial, com a alegação de que soldados apenas servem a governos de plantão. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.